Cátia Raulino exerceu função de confiança no TJ-BA durante cerca de um ano

-
Reprodução

A suposta jurista Cátia Raulino, acusada de plágio e de forjar uma série de títulos em universidades brasileiras, possuía função de confiança, por quase um ano, no Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA).

De acordo com apurações, ela atuou de 15 de fevereiro de 2013 até 22 de janeiro de 2014, no cargo de provimento temporário de Supervisor, TJFC-3.

A remuneração do trabalho de Raulino iniciou com R$ 4, 511,77 mil e passou a receber R$4. 954,05 em julho.

Raulino é acusada por duas alunas de plágio e também por uma suposta prática de exercício ilegal do ramo da advocacia.

(A Tarde)