Famílias agricultoras de Juazeiro montam feira comunitária para escoar produção e enfrentar pandemia

-
Foto: SDR

Agricultores e agricultoras das comunidades rurais de Passagem do Sargento e Assentamento Maria Simões, em Sobradinho, e Gangorra II-Salitre, em Juazeiro, no território Sertão do São Francisco, se juntaram para comercializar os produtos que excedem dos seus quintais. A iniciativa partiu da necessidade de escoar as hortaliças, frutas, verduras, ovos e outros produtos oriundos da produção familiar, além de beneficiados e artesanatos, como mais uma alternativa de geração de renda para as famílias, sobretudo neste período de pandemia.

As famílias são beneficiárias do projeto Pró-Semiárido, executado pela Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional (CAR), empresa vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR), com cofinanciamento do Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (Fida).

Nessas localidades, as famílias contam com estruturas de canteiros econômicos telados, galinheiros e outras tecnologias implantadas pelo Pró-Semiárido, que têm garantido um incremento na produção e diversificação de culturas. As famílias ainda recebem Assessoramento Técnico Continuo (ATC), por meio da parceria com o Instituto Regional da Pequena Agropecuária Apropriada (Irpaa).

Atualmente, o projeto adotou a estratégia de ATC remota para assegurar o isolamento social e conter a disseminação da Covid-19. Para tanto, técnicos e técnicas estão mantendo contato com as famílias por meio de aplicativos como o Whatsapp, ferramenta que tem propiciado a troca de informações entre agricultores/as e técnicos/as.

Pró-Semiárido
Para o agricultor Diego Santos de Souza, da comunidade Passagem do Sargento, essas ações foram grandes incentivadoras para os produtores e produtoras da localidade. “O projeto veio incentivar os pequenos agricultores do alto Salitre a terem uma renda extra com a produção de verduras. Por isso, a comunidade teve a ideia de organizar uma feirinha da agricultura familiar onde estão sendo expostos produtos como o alface, abobrinha, coentro, maxixe, não só esses produtos, como também outros que os agricultores têm em suas roças, como laranja, melão, tomate, abóbora e coco”, afirma.

Diego fez também uma reflexão sobre a iniciativa e seu impacto. “Fazendo avaliação da primeira feirinha, foi de uma aceitação tremenda e deu um incentivo a nós para que mais pessoas participem da feira e fez com que os moradores tenham uma renda extra e melhoria da qualidade de vida”. O agricultor é um dos incentivadores da feira.
A exposição dos produtos é feita todos os sábados, de forma criativa, em uma palhoça com palets e caixas de madeira. Desde a primeira feira, realizada no dia 10 de junho, às famílias reúnem a produção de um dia antes da feira, e uma pessoa fica responsável pelas vendas na barraca. A estratégia, além de evitar aglomeração, assegura uma boa disponibilidade de variados produtos. Mas, a ideia é que em breve possam ter mais barracas. (Ascom/SDR)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui