Salvador: Idosa que foi detida por agredir companheira e chamar PM de ‘macaco’ é servidora do TJ-BA

-Idosa que chamou PM de
Reprodução/ BNews

A idosa de 64 anos que foi presa em flagrante enquanto agredia a companheira, em Salvador, e que chamou um PM negro de ‘macaco’, durante a ocorrência policial (reveja aqui), é servidora do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA). A informação foi confirmada pelo órgão, nesta segunda-feira (21).

Segundo o TJ-BA, a mulher é lotada na comarca de Curaçá, cidade do norte da Bahia. O Tribunal de Justiça não comentou sobre o caso policial envolvendo a servidora.

Libânia Maria Dias Torres foi presa na noite de quarta-feira (16), mas as imagens viralizaram nas redes sociais na sexta-feira (18).

O vídeo gravado no local mostra o momento em que os militares tentam colocar a idosa, aparentemente algemada, no fundo da viatura. Assista:

View this post on Instagram

Vídeo: Mulher chama policial de “macaco” após ser detida por agredir companheira e é solta em menos de 24 horas em SSA Uma mulher foi detida, na noite da quinta-feira (17), no Condomínio Mata Atlântica, no bairro Vale dos Lagos, em Salvador, após ser denunciada por agredir a companheira e chamar um policial militar de “macaco”. A polícia foi acionada após uma denúncia de que uma senhora de 64 anos estaria sendo espancada dentro de casa. Ao chegar no local, policias da 50ª Companhia Independente da Polícia Militar (CIPM) presenciaram a mulher, identificada como Libânia Maria Dias Torres, agredindo a companheira dela. Segundo informações da polícia, a suspeita teria dado um tapa no rosto do policial. Um vídeo gravado do momento da confusão mostra a mulher chamando o policial militar de “macaco”, enquanto era detida. No mesmo vídeo, é possível escutar uma pessoa alertando: “Libânia, pelo amor de Deus, não faça isso”. A suspeita foi levada para a 11° Delegacia de Polícia e obteve liberdade provisória em menos de 24 horas após o ocorrido. De acordo com a decisão da juíza Ivana Carvalho Silva Fernandes, nem a autoridade policial nem o Ministério Público do Estado da Bahia solicitaram a prisão preventiva de Libânia após a homologação da prisão em flagrante. Com isso, a mulher terá o compromisso de comparecer a todos os atos processuais e manter seu endereço atualizado, sem se ausentar do distrito da culpa, além de comparecer bimestralmente em juízo e não poder se ausentar da comarca sem autorização. Caso contrário, a liberdade provisória será revogada. (BNews)

A post shared by Voz da Bahia (@vozdabahia) on

Nesse momento, a agressora se vira para um dos policiais, um homem negro, e chama ele repetidas vezes de “macaco”. Ainda no vídeo, é possível ouvir uma mulher pedir à idosa para que “não faça isso”.

Por meio de nota, na ocasião, a Polícia Militar informou que, além dos insultos racistas, a agressora também deu um tapa no rosto do policial. Ela e a companheira agredida foram levadas para a 11ª delegacia, que fica no bairro de Tancredo Neves.

“Sobre a injúria racial sofrida pelo soldado Jesus quando estava de serviço, ele já registrou queixa na delegacia e, provavelmente, a agressora vai ser ouvida. Após o inquérito, nós vamos acionar o Ministério Público, já que se trata de uma ação pública. Importante salientar que a injúria racial acontece diariamente na nossa sociedade”, explicou Marinho Soares, advogado do policial.

Na delegacia, a idosa foi autuada por injúria racial e agressão contra o PM e a companheira. Ela foi solta e vai responder pelo crime de injúria em liberdade provisória.

(G1/BA)