Juiz que manteve nomeação de Weintraub ao BM é tio do advogado de Queiroz

-
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O juiz Itagiba Catta Preta Neto, que arquivou nesta sexta-feira (3) a ação popular que solicitava a suspensão da indicação do ex-ministro da Educação Abraham Weintraub para o Banco Mundial, é tio do advogado Paulo Emilio Catta Preta, que defende Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) preso desde 18 de junho.

A ação que questionava a nomeação de Weintraub foi movida pelo deputado federal Ivan Valente (PSOL-SP) e pelo advogado Marivaldo Pereira. Valente vai recorrer da decisão, que considera tendenciosa. Já Paulo Emílio diz que o parentesco não é impedimento para que o magistrado julgue o processo.

Em sua sentença, Catta Pretta arquivou o pedido ao afirmar que “patrulhamento ideológico não é papel do Poder Judiciário”. O juiz se tornou nacionalmente conhecido ao suspender a posse do ex-presidente Lula para a chefia da Casa Civil do governo Dilma Rousseff, em 2016.

O magistrado diz que a ação parte da indignação de Valente e de Pereira, bem como de reportagens de veículos de imprensa e postagens em redes sociais, “na suposição de que reflitam a realidade”.

“Divulgação de ‘fatos’ e opiniões nas redes sociais […] não são hábeis a ensejar intervenção do Judiciário em atos de governo. Da mesma forma os divulgados nos veículos de imprensa tradicionais escolhidos pelo autor”, afirma o magistrado na decisão.

A credibilidade das reportagens seria, para o juiz, “bastante subjetiva e insuficiente para ensejar atuação judicial em ação popular”.

No pedido, o deputado Valente e o advogado Pereira questionam o processo de saída de Weintraub do país e o suposto uso de passaporte diplomático pelo ex-ministro após o seu pedido de exoneração, o que já levou o Ministério Público, junto ao TCU (Tribunal de Contas da União), a afirmar que houve fraude no processo.

A ação popular listou ainda polêmicas protagonizadas por Weintraub, como as ofensas dirigidas à população chinesa e aos ministros do STF (Supremo Tribunal Federal), que culminaram, inclusive, em sua inclusão no inquérito das fake news.

O parentesco entre o juiz e o advogado Paulo Emilio Catta Preta é questionado pelo deputado do PSOL.

“A sentença do juiz é uma peça ideológica. É um fato anormal que mostra a politização da Justiça pelo lado da extrema direita, não posso aceitar, como cidadão e como parlamentar, uma sentença desse tipo, que não faz nenhuma análise factual. Foi uma resposta de militante político”, disse o deputado.

Paulo Emilio defende Fabricio Queiroz, investigado por participação em suposto esquema de “rachadinha” na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, no gabinete do então deputado estadual Flávio Bolsonaro.

A prática da “rachadinha” ocorre quando funcionários são coagidos a devolver parte de seus salários. O filho de Bolsonaro foi deputado estadual de fevereiro de 2003 a janeiro de 2019.

O advogado também atuou na defesa de Adriano Nóbrega no processo em que o ex-capitão do Bope era acusado de chefiar a mais antiga milícia do Rio de Janeiro. Nóbrega ficou foragido por mais de um ano, até ser localizado e morto pela polícia, em fevereiro deste ano, no município de Esplanada (BA).

“Estranhamos demais a sentença e a coincidência do sobrenome com o do advogado do Queiroz e do Nóbrega, miliciano assassino morto na Bahia”, afirmou Valente ao ser informado pela reportagem sobre o parentesco entre os Catta Pretas.

Procurado pela reportagem, o advogado Paulo Catta Preta confirmou o parentesco com o magistrado. “Itagiba é meu tio, no entanto não existe nenhuma causa de impedimento, visto que não atuo como defensor no referido processo”, afirmou em nota. (BN)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui