OAB-BA: Procuradora demitida coordenava cursos que abordavam violência contra a mulher

Foto: Reprodução / Redes Sociais

A Ordem dos Advogados do Brasil na Bahia (OAB-BA) demitiu, nesta quarta-feira (20), a procuradora de Defesa de Prerrogativas da entidade representativa, Lorena Machado, responsável por confeccionar e impetrar na Justiça com o pedido de sigilo das investigações contra o advogado José Luiz de Britto Meira Júnior, que diz ter matado acidentalmente a namorada, Kézia Stefany da Silva Ribeiro, de 21 anos, no último domingo (17), no bairro do Rio Vermelho, em Salvador.

“O motivo do desligamento da profissional se deve ao fato de que, além de extrapolar suas atribuições exclusivas de defesa da prerrogativa de prisão preventiva em sala de Estado-Maior, o pedido de sigilo foi feito sem o conhecimento dos seus superiores na Procuradoria”, afirma a OAB-BA em nota.

Ainda conforme a entidade representativa dos advogados baianos, “em todos os casos semelhantes envolvendo advogados”, a atuação da OAB é “garantir as prerrogativas profissionais”.

“Não interessa a natureza da acusação que pese sobre o advogado processado, mas sim a defesa intransigente das prerrogativas profissionais da advocacia, que para a OAB da Bahia são inegociáveis. A natureza da acusação interessa ao Tribunal de Ética e Disciplina da OAB, que já esta cuidando do caso de Luiz Meira”, justificou.

A OAB afirmou ainda ser “comum” que atuação dos seus procuradores seja em conjunto com os defensores do acusado. O pedido de sigilo teria sido feito diretamente à procuradora Lorena Machado por uma conselheira da Ordem, que integra a defesa de José Luiz de Britto Meira Júnior.

Advogada criminalista, Lorena Machado informa em seu currículo que é mestranda em Relações Internacionais pela Universidade Federal da Bahia (Ufba) e pós-graduada em Processo Penal pela Universidade de Coimbra, em Portugal. Em sua conta no Instagram, a jurista diz ser uma advogada antifacista e coordenadora na OAB de cursos sobre Criminologia Feminista e Processo Penal Feminista.

A reportagem tentou falar com Lorena, mas ela não foi localizada. Suas contas nas redes sociais também passaram a ter conteúdo privado logo após a notícia da sua demissão se tornar pública. (bahia.ba)