Adolescente de 12 anos confessa ter assassinado criança de 9 anos

0
599
-
Foto: Reprodução/ YouTube

Uma menina, Raíssa Eloá Caparelli, 9 anos, foi assassinada por um adolescente, 12 anos, no último domingo (29), em São Paulo. Segundo a Polícia Civil, o autor do crime confessou que teria assassinado a vítima, que era sua amiga, na madrugada desta terça-feira (1º), na sede do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), no Centro de São Paulo. 

De acordo com a publicação do G1, o corpo da criança de 9 anos foi encontrado, neste domingo (29), no Parque Anhanguera, na Zona Norte de SP. As câmeras de segurança do Centro de Educação Unificado (CEU), localizado próximo ao parque, registraram a criança e o adolescente caminhando de mãos dadas, momentos antes do crime. 

No dia do crime, o garoto de 12 anos teria confessado à mãe ter matado a criança, mas, na delegacia ele negou e declarou ter sido forçado por um homem de bicicleta, que o teria ameaçado com uma faca e então forçado a ajudar a matar a garota. Além disso, ainda no domingo, o próprio adolescente teria procurado a administração do parque para informar sobre a localização do corpo.

O último depoimento, aconteceu entre a tarde de segunda-feira (30) e o começo da madrugada, desta segunda-feira (1º), na 5ª Delegacia de Polícia de Repressão aos Crimes Contra a Criança e o Adolescente do DHPP. Ainda conforme o G1, o garoto, que chegou acompanhado pelos pais, foi descrito como frio pelos policiais.  

O adolescente será ouvido por promotores do Departamento de Infância e Juventude do Ministério Público (MP). Posteriormente, será encaminhado a uma das unidades da Fundação Casa – entidade que acolhe menores infratores. 

O crime – A mãe de Raíssa, Vânia, declarou a polícia que levou a menina e o irmão mais novo para uma festa na CEU Anhaguera por volta do meio-dia de domingo. Na ocasião, Vânia teria ido comprar pipoca para o outro filho e quando retornou a menina não estava mais no local. A gestora do CEU procurou a criança e pediu apoio a visitantes.

A vítima foi encontrada amarrada em uma árvore e sem vida. O G1 ainda informou que Raissa estava suspensa pelo pescoço, o que sugere que tenha sido asfixiada. A Polícia Civil de São Paulo investiga se a criança foi violentada sexualmente e asfixiada.  

O corpo foi submetido a exame sexológico, porque foram encontrados ferimentos compatíveis com quem poderia ter sofrido violência sexual.

O corpo de Raíssa foi sepultado na tarde de segunda, no Cemitério Municipal de Perus, na Zona Norte de São Paulo.

A relação do adolescente e da criança – A publicação do G1 ainda aponta que Raíssa e o adolescente tinham uma relação muito próximo. A mãe da vítima teria levado o adolescente e a filha para um culto em uma igreja evangélica, no mês passado. Raíssa fazia tratamento para autismo havia um ano. (BNews)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui