Bolsonaro sanciona fundo eleitoral de R$ 2 bilhões

-
Foto : José Cruz/Agência Brasil

O presidente Jair Bolsonaro sancionou integralmente, nesta sexta-feira (17), a LOA (Lei Orçamentária Anual) de 2020, prevendo gasto de R$ 2 bilhões para o Fundo Eleitoral, destinado ao financiamento das campanhas dos candidatos nas eleições de outubro.

O anúncio foi feito através do Twitter do ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência, Jorge Oliveira, na noite desta sexta. Não houve vetos. 

“O PR @jairbolsonaro sancionou integralmente a LOA-2020, que estima a receita e fixa as despesas da União para o corrente ano, dentro da meta prevista na Lei de Diretrizes Orçamentárias”, publicou o ministro. A medida foi anunciada depois de cobranças de eleitores nas redes sociais, após o presidente indicar que vetaria o fundo com verba pública para financiar as campanhas eleitorais. Bolsonaro recuou da decisão e declarou que ela poderia leva-lo a um processo de impeachment.

O fundo eleitoral foi aprovado pelos congressistas para o Orçamento de 2020 no dia 17 de dezembro. Deputados mantiveram o valor da proposta orçamentária enviada pelo próprio governo, de R$ 2 bilhões.

Na CMO (Comissão Mista do Orçamento), ocorreu a tentativa de inflar o fundo em R$ 1,8 bilhão, que totalizaria R$ 3,8 bilhões. No entanto, houve um recuo diante de um eventual veto de Bolsonaro e da repercussão negativa com o aumento da verba.

Mesmo após aprovar a iniciativa, o presidente Jair Bolsonaro diz ser contrário ao fundo eleitoral e pediu aos eleitores para não votarem em 2020 em candidatos que usem o fundão. Bolsonaro afirmou ainda que o Aliança pelo Brasil, partido em processo de formação, idealizado por ele, não irá recorrer ao recurso.

(Metro1)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui