‘Ele é o chamado satanista’, diz polícia sobre Lázaro Barbosa de Sousa, suspeito de chacina no DF

Reprodução/Polícia Civil do DF

Seis dias após matar uma família no Incra 9, em Ceilândia, no Distrito Federal, Lázaro Barbosa da Silva, de 32 anos, segue escapando dos mais de 200 policiais empenhados em capturá-lo. O homem é acusado de matar um casal e os dois filhos, de 21 e 15 anos, na última quarta-feira (9).

Suspeito de matar família no DF tinha dois esconderijos em matagal
Suspeito de triplo homicídio e sequestro de mulher no DF é identificado: ‘Autor de crimes bárbaros’, diz polícia
Policiais estão a pé, usando cães e cavalos. Eles também cercaram a mata entre o DF e o Entorno de Goiás, usando drones e um helicóptero.

Ao todo, 34 propriedades rurais estão ocupadas pela polícia para garantir a segurança dos moradores e encontrar o suspeito. “Ele é o chamado satanista”, disse a polícia ao G1.

Por definição, o satanismo “inclui associação simbólica, admiração e até veneração a Satanás”. Segundo a polícia, foram encontrados indícios de que Lázaro participe de rituais “desse tipo”.

Os investigadores acreditam também que ele “não está disposto a se entregar”. Já o que dificulta ainda mais a localização do suspeito, conforme os investigadores, é que Lázaro é “um mateiro experiente, que anda e dorme pelas matas”

Lázaro é tratado pelas autoridades como “psicopata” e “imprevisível”. Desde o assassinato da família, em Ceilândia, o criminoso invadiu, pelo menos, mais três propriedades rurais e praticou outros quatro crimes de roubo e ameaças nas regiões do DF, e de Cocalzinho, em Goiás.