Entrevista amplia seguidores de Lula nas redes, mas ganho de Bolsonaro é maior

-Foto: Ricardo Stuckert
Foto: Ricardo Stuckert

A repercussão nas redes sociais da primeira entrevista do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) na prisão foi maior entre aqueles que já apoiam as teses do petista, segundo levantamento da empresa de análise de dados Bites. O pesquisa foi divulgada neste domingo (28), dois dias após Lula falar com exclusividade aos jornais Folha de S.Paulo e El País, em sua primeira entrevista desde que foi preso, em abril de 2018. Desde sexta-feira (26), a equipe de Lula produziu 60 posts que registraram 158 mil interações nos perfis oficiais do ex-presidente no Twitter, Facebook, Instagram e Youtube. Nesse período, ele conquistou 10.825 novos fãs e seguidores, resultado quatro vezes superior aos dias seguintes à decisão do STJ (Superior Tribunal Federal) que reduziu a pena do ex-presidente. Nesses dois dias, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) ganhou, por sua vez, 27.945 seguidores, fez 39 posts em seus perfis e obteve 2.741.353 interações no Twitter, Facebook e Instagram. Segundo a pesquisa, os números de Bolsonaro foram 17 vezes maiores que o ex-presidente. Para Manoel Fernandes, diretor da Bites, a repercussão da entrevista nas redes sociais “está longe de ser uma explosão de apoio a Lula e, por enquanto, não ultrapassou as fronteiras daqueles que já seguem as teses do petista”. De acordo com o levantamento, entre os deputados federais, a entrevista também ficou restrita aos parlamentares do PT. Os deputados federais produziram 653 posts sobre Lula desde sexta-feira e 547 foram da bancada petista. Os aliados do ex-presidente conseguiram 782 mil interações nessas publicações. Ao todo, os congressistas fizeram 4.816 publicações que registaram 5,1 milhões de interações. Nesse período o post com mais integração (116 mil), diz a Bite, foi o da deputada Joice Hasselmann (PSL-SP) com uma entrevista da atriz Maitê Proença defendendo o pacote anticrime do ministro Sérgio Moro. Entre os senadores, Lula apareceu em 71 posts dos 746 posts publicados desde sexta-feira. O PT também dominou as publicações sobre o ex-presidente. “Um fenômeno interessante tanto na Câmara e no Senado foi a ausência da defesa de Lula de antigos aliados que estavam com Lula nos seus dois governos e na administração de Dilma Rousseff”, afirma Fernandes. Ainda de acordo com o levantamento, o número de pesquisas no Google relacionadas ao ex-presidente entre sexta-feira e domingo de manhã ficou em 34, em média, na escala de 0 a 100. Nas 48 horas após a decisão do STJ, essa taxa média foi de 29. A entrevista de Lula despertou um interesse 17% superior aos eventos da redução da sua pena. Lula foi condenado por corrupção e lavagem de dinheiro no caso do tríplex de Guarujá. Ele está preso desde abril de 2018, depois de ter sido condenado pelo TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região), a segunda instância da Justiça Federal. Na última terça-feira (23), em decisão unânime, a Quinta Turma do STJ reduziu a pena do ex-presidente e abriu caminho para ele saia do regime fechado ainda neste ano. O tribunal manteve a condenação do petista, mas baixou a pena de 12 anos e 1 mês de prisão para 8 anos, 10 meses e 20 dias. O petista já foi condenado também no caso do sítio de Atibaia (SP) -a 12 anos e 11 meses pela juíza Gabriela Hardt, na primeira instância em Curitiba, pelos crimes de lavagem de dinheiro e corrupção. O caso, porém, ainda passará pela análise do TRF-4. O pedido de entrevista com o ex-presidente passou por um vaivém de decisões judiciais. Em julho de 2018, a juíza federal Carolina Lebbos, responsável pela execução da pena de Lula, barrou a realização da entrevista, afirmando não haver previsão constitucional que dê ao preso direito de falar com a imprensa. Após reclamação ao STF (Supremo Tribunal Federal) feita pela Folha de S.Paulo, o ministro Ricardo Lewandowski autorizou em 28 de setembro que a entrevista fosse realizada em Curitiba. A liminar, porém, foi derrubada no mesmo dia pelo ministro Luiz Fux, também do Supremo. Ele julgou pedido do partido Novo, que alegava que o PT apresentava Lula como candidato à Presidência da República, desinformando os eleitores. O petista foi impedido de concorrer na eleição presidencial devido à Lei da Ficha Limpa, que barra candidaturas de condenados em segunda instância, e acabou substituído por Fernando Haddad, também do PT. Ao suspender a entrevista, Fux determinou ainda que, caso já tivesse sido realizada, sua divulgação estaria censurada. A liminar de Fux foi revogada no último dia 18 pelo presidente do STF, ministro Dias Toffoli. (Bahia Notícias)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui