O coronavírus pode ser transmitido por um pum?

-
Imagem: SaulHerrera/Getty Images

Talvez, mas a verdade é que ninguém sabe. Ainda bem que, por via das dúvidas, o seu traseiro está sempre de máscara – o nome dela é calça, com cueca ou calcinha por baixo, de preferência. Um estudo publicado no periódico Lancet examinou as fezes de 98 pacientes de covid-19 e descobriu que 55% delas continham o Sars-CoV-2. Ou seja: o bichinho também frequenta a porta dos fundos.

Por bastante tempo, diga-se: o Centro de Controle de Doenças (CDC) dos EUA encontrou coronavírus nas fezes de um bebê que havia sido exposto 17 dias antes da coleta da amostra. É evidente que uma pequena dose de vírus pode ser ejetada feito um desodorante aerossol no ato do flato. Daí até saber se tal quantidade oferece risco – principalmente com a proteção das calças – é outra história. Precisaríamos de testes com uma grande amostra de pessoas e parâmetros controlados, coisa que não está exatamente na lista de prioridades dos médicos no momento. 

No Twitter, o médico australiano Andy Tagg, da Universidade de Melbourne, postou uma foto de uma placa de Petri (superfície de vidro usada para cultivar bactérias em laboratório) que havia sido exposta a uma carga gasosa recém-saída do escapamento humano. Nela se proliferaram criaturinhas típicas da nossa microbiota intestinal. Sinal de que eles pegam carona com o furacão 2000 – e de que o vírus, em tese, é capaz de realizar a mesma manobra. Desde que não haja calças no caminho: com elas posicionadas adequadamente no corpo do cidadão (o mínimo que se espera quando ele se encontra no exterior de sua residência), a placa de Petri fica limpa. Ufa. Que alívio.

Por Bruno Vaiano Pergunta de Alexandre Carvalho, revisor da SUPERINTERESSANTE

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui