Parentes de estudante morta a tiros em Cachoeira protestam durante audiência de instrução do caso; réu é ex-namorado da vítima

-
Familiares e amigos protestam durante primeira audiência de instrução — Foto: Reprodução/TV Bahia

Familiares e amigos protestaram nesta quinta-feira (13) durante a primeira audiência de instrução do caso da estudante de serviço social Elitânia de Souza da Hora, que foi morta a tiros em Cachoeira, no recôncavo da Bahia. O suspeito do crime, Alexandre Passos Silva Góes, esteve na audiência.

Com cartazes e blusas com a foto de Elitânia, cerca de 30 pessoas começaram a chegar no fórum de Cachoeira, por volta das 11h. A audiência começou por volta das 15h20 e até a última atualização desta reportagem, ainda não tinha terminado.

Quatorze testemunhas, senho sete de acusação e outras sete de defesa, serão ouvidas pelos representantes do Ministério Público da Bahia (MP-BA), da defesa do advogado e pelo juiz. Alexandre Passos foi ouvido. Não há detalhes sobre o depoimento dele.

Antes da audiência, a mãe da vítima, Maritânia de Souza, em entrevista a TV Bahia, pediu justiça.

“A minha expectativa é de que ele pague pelo que fez com minha filha. Eu peço justiça, porque minha filha não merecia ter um fim desses”, contou.

Segundo Maritânia de Souza, Elitânia passava todos os fins de semana com ela.

“Minha filha era uma menina boa, uma menina estudiosa, minha filha era uma menina família. Todo final de semana minha filha ficava comigo, e agora eu não tenho mais ela. A vida para mim acabou”.

O irmão da vítima, Rodrigo de Souza, lembra que o o relacionamento entre Elitânia e Alexandre sempre foi abusivo. De acordo com o rapaz, a estudante foi agredida várias vezes pelo réu.

“A gente está aqui atrás de justiça para que esse caso não passe impune. Ele é um cara muito agressivo, bebia muito, andava armado, espancava ela, queimou ela com fogo, furou ela de faca, deixou ela presa por 15 dias dentro de casa. Os vizinhos dele presenciaram tudo”, contou Rodrigo.

“Ele invadiu a casa de minha vó, bateu nela, batia muito nela, quebrou os dois celulares dela. A gente está aqui atrás de justiça, lutando por justiça”, continuou.

Elitânia de Souza da Hora foi morta a tiros a caminho de casa após deixar aula na Bahia  — Foto: Reprodução/Facebook
Elitânia de Souza da Hora foi morta a tiros a caminho de casa após deixar aula na Bahia — Foto: Reprodução/Facebook

O crime ocorreu na noite de 27 de novembro. Elitânia já havia prestado queixa contra o ex-namorado por agressões e tinha uma medida protetiva, que determinava o afastamento dele, porém o suspeito descumpriu a decisão.

A jovem voltava para casa, após assistir aula na Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB), onde cursava serviço social, quando foi surpreendida pelo ex-namorado. Ela chegou a ser socorrida e foi levada para um hospital, mas não resistiu. O corpo da jovem foi sepultado em Cachoeira no dia 29 de novembro.

Alexandre Passo Goes Silva, de 34 anos, foi preso no mesmo dia do enterro da vítima, após se apresentar na delegacia de Feira de Santana, cidade a 56,9 km de Cachoeira. Na ocasião, ele teve mandado de prisão preventiva cumprido. O suspeito se recusou a falar no depoimento e, em seguida, foi encaminhado para o sistema penitenciário. (G1/Ba)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui