Polícia prende acusadas de aplicar golpe do emprego em Feira de Santana

Foto: Polícia Civil

Investigadores da Delegacia de Repressão a Furtos e Roubos (DRFR) de Feira de Santana prenderam, por volta do meio-dia de quinta-feira (25), duas mulheres que estariam aplicando golpes, por meio de uma falsa seleção de emprego.

Segundo a polícia, uma das acusadas conhecida como ‘Daniele’ é natural de São Paulo e a comparsa, conhecida como ‘Camila’ é de Mata de São João. A prisão das duas ocorreu em um ponto na Avenida Santo Antônio, no bairro Capuchinhos, onde elas atendiam.

De acordo com o delegado titular da DRFR, André Ribeiro, a dupla informava para as vítimas que elas tinham que pagar entre R$ 350 e R$ 400 para aprovação em seleções de empregos, além de reter os documentos pessoais dos candidatos. Uma das vítimas desconfiou e procurou a delegacia.

“A gente recebeu uma vítima na delegacia, que afirmou que tinha dado uma certa quantia em dinheiro a duas mulheres que estariam agenciando as pessoas para conseguirem emprego. Só que essa suposta vítima que esteve na delegacia desconfiou. As equipes se dirigiram ao local e lá chegando encontraram cerca de 10 pessoas já em conflito verbal com essas duas mulheres querendo a devolução do dinheiro e os documentos. Elas foram conduzidas à delegacia e foram autuadas em flagrante”, informou o delegado.

As acusadas foram autuadas em flagrante por crime de estelionato e encaminhadas para o Complexo de Delegacias no bairro Sobradinho, onde estão à disposição da Justiça.

“Elas tinham pouco tempo em Feira. Alugaram imóvel e não estavam pagando, inclusive, foi o que a gente descobriu. Elas já estavam sendo procuradas de onde elas vieram. Não confessaram o crime, disseram que realmente trabalhavam para uma empresa, fazendo isso de forma legal, mas a gente constatou que a empresa era fictícia. Elas foram autuadas em flagrante pelo crime de estelionato, que não é afiançável. Vão ficar presas no Complexo do Sobradinho até a audiência de custódia”, explicou André Ribeiro.

Com informações do repórter Aldo Matos do Acorda Cidade.