Testemunha da morte de empresário Léo do ‘Paraíso Perdido’ é encontrado morto em Camassandi; delegado diz que uma das suspeitas é queima de arquivo

Foto: Divulgação

Um homem de nome, Marcel da Silva Vieira, conhecido como Bily, 47 anos, foi encontrado morto na manhã desta segunda-feira (07). Segundo informações, Marcel era funcionário de confiança de, Leandro Silva Troesch, popular Léo, morto com um tiro na cabeça (reveja aqui) no dia 25/02. Léo era dono da pousada “Paraíso Perdido” em Jaguaripe.

O delegado Dr. Rafael Magalhães em entrevista ao Voz da Bahia, contou que Marcel foi ouvido pela polícia por mais de 2 horas de depoimento, após a morte de Léo. Pela manhã, a vítima foi encontrado sem vida, na localidade de Camassandi, município de Jaguaripe.

Ainda na entrevista ao Voz da Bahia, o Dr. Rafael afirma que Marcel tinha um depoimento consistente, “ele era uma testemunha chave, fortíssima de grande importância para o caso e sendo que o crime pode ser caracterizado como queima de arquivo, ou até mesmo, em outra linha sendo investigado com envolvimento de drogas”, expôs.

O delegado ainda aponta que, Shirley da Silva Figueiredo, viúva do empresário, é considerada suspeita do crime. A mesma foi intimada aprestar depoimento, mas foi dada, neste sábado (05), como foragida, “pois, ela estava em prisão domiciliar e quebrou o benefício e empreendeu fuga (reveja aqui). Eu ainda não cheguei a interrogá-la”, conta.

O policial finaliza apontando que vai até o local do crime para averiguar melhor o acontecido e em seguida trará mais detalhes.

Reportagem: Voz da Bahia