ACM Neto decide vetar projeto que proíbe arrastão na quarta de cinzas

0
188
-
ACM Neto critica que projeto não foi debatido com sociedade. Foto: Luiz Felipe Fernandez/bahia.ba

O prefeito ACM Neto (DEM) já decidiu que vetará o projeto que proíbe eventos profanos na Quarta-Feira de Cinzas, a exemplo do tradicional arrastão feito na Barra. O prefeito afirmou que não acredita que o arrastão da quarta-feira de cinzas do carnaval ofende as tradições religiosas da capital baiana. Na última quarta-feira (11), um projeto de lei que proíbe o tradicional evento foi aprovado pela Câmara de Vereadores.

De acordo o G1, o projeto foi votado no legislativo e recebeu 38 votos a favor, 2 contra e 1 abstenção. O motivo seria a incompatibilidade com o início da quaresma, período que antecede a páscoa cristã.

- Anúncio -

“Nós vamos aguardar o projeto chegar na prefeitura e vamos examiná-lo. Tanto do ponto de vista jurídico como também no mérito para avaliar uma sanção ou veto. O que eu posso assegurar desde então é que, na nossa análise, não vai pesar o aspecto religioso. Eu sou católico, praticante, mas acho que o arrastão da quarta-feira de cinzas não agride e não ofende todo o respeito à tradição religiosa da cidade do Salvador”, disse ACM Neto.

O Projeto de Lei (PL) 45/16 prevê uma multa de R$ 500 mil em caso de descumprimento da determinação por artistas, grupos musicais ou quem organizar o arrastão. Segundo o texto, o dinheiro arrecadado servirá para conservar, recuperar e melhorar prédios religiosos do município.

“Esse argumento não cola. Não será levado em consideração. Sou católico praticante. Eu tenho uma relação muito próxima à Igreja Católica. Mas o arrastão da quarta-feira de cinzas, que já é uma tradição da cidade, ele nunca feriu aos princípios religiosos. Ele nunca atrapalhou o calendário de Salvador”, explicou o prefeito.

O prefeito ainda questionou a falta de diálogo com a sociedade e amplo debate sobre o projeto.

“Eu fiquei surpreso com a votação na Câmara Municipal. Eu acho que ela podia ter sido discutida, podia ter sido debatida, não houve um debate amplo com a sociedade, não houve um questionamento às pessoas envolvidas na organização do carnaval né? A Câmara simplesmente votou o projeto, eu diria que de surpresa, né. O que, é claro, gera toda essa repercussão agora”, comenta.

Segundo ACM Neto, a análise do projeto de lei será feita levando em consideração as questões econômicas do carnaval de Salvador.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui