Ibovespa registra pior mês desde março de 2020; dólar sobe

Foto: Pixabayibovesp

O principal índice da bolsa de valores brasileira (B3) encerrou o pregão desta quinta-feira (30) em queda de 1,08%, aos 98.542 pontos. O dólar comercial fechou em alta de 0,81%, a R$ 5,234.

Com o resultado de hoje, o Ibovespa termina o primeiro semestre de 2022  no terreno negativo com 5,99%. Sobre o mês de junho, o benchmark da Bolsa caiu 11,50%, seu pior mês desde março de 2020. 

Ainda em junho, o dólar acumulou alta de 10,13%, no entanto, no ano, ainda tem queda de 6,14%.

Entre as maiores altas da sessão, as ações da Fleury, subiram  16,1%, seguida da Hapvida e da Vivo,ganhando, respectivamente, 3,99% e 3,59%.

Já nas maiores baixas, a Via, em queda de 8,13%, seguida da CSN, desvalorizando 6,42% e CSN Mineração, caindo 6,31%.

Os investidores também repercutiram, a taxa de desemprego que veio em 9,8%, melhor do que os 10,2% do consenso.

No exterior, as bolsas nos Estados Unidos tiveram baixas. O Dow Jones, S&P 500 e Nasdaq caíram, respectivamente, 0,82%, 0,88% e 1,33%.

No primeiro semestre do ano, os principais índices norte-americanos não tiveram um bom desempenho. No período, o S&P 500, recuou 20,5%, em sua maior queda desde 1970, já o Nasdaq teve seu pior desempenho desde 2008, com baixa de 22,4%.

Na China, o minério de ferro caiu 2,5% no mercado à vista, para US$ 120,10 a tonelada. No mês, o preço dessa commodity caiu mais de 12%. O petróleo, do outro lado, recuou 1,19%, a US$ 114,88 o barril. (bahia.ba)