Ilhéus: Ação aponta carência de agentes de endemias e alta infestação de mosquito da dengue

0
47
-
Foto : Arquivo/ Agência Brasil

A prefeitura de Ilhéus foi acionada pelo Ministério Público estadual (MP-BA) em razão da carência acentuada de agentes de endemia, quando a cidade enfrenta alto índice de infestação predial do Aedes Aegypti, mosquito transmissor da dengue. 
 
Ação civil pública ajuizada na última sexta-feira (13) aponta que llhéus tem 77 agentes a menos do que é necessário para atender ao mínimo preconizado pelo Ministério da Saúde no Manual de Instruções para Pessoal de Combate ao Vetor da Dengue.

O índice registrado para a cidade no Levantamento Rápido de Infestação Predial por Aedes Aegypti (Liraa) chegou a 14% em maio deste ano e colocou Ilhéus em situação de alto risco de surto ou epidemia (acima de 3,9%) conforme tabela de classificação do Programa Nacional de Controle da Dengue (PNCD).
 
O promotor de Justiça Pedro Nogueira Coelho, autor da ação, informa que a prefeitura contava, em julho deste ano, com 53 agentes em efetiva atuação para realização de visitas em aproximadamente 103 mil imóveis cadastrados.

- Anúncio -

No entanto, o Ministério da Saúde recomenda o mínimo de um agente de saúde para cada 800 imóveis. Assim, seriam necessários pelo menos 130 agentes em campo na cidade.

O promotor destaca que o déficit se agrava, nos últimos oito anos, em paralelo ao aumento do índice de infestação, que praticamente dobrou no período. Em 2012, quando havia 90 agentes para 90,4 mil imóveis, o índice era de 7,3%. Em 2019,  chega a 14%. 
 
O MP-BA pede à Justiça que, em decisão liminar, determine à prefeitura a realização, no prazo de 30 dias, de concurso público ou processo seletivo para nomeação de ao menos 77 agentes de endemias devidamente equipados para as visitas aos imóveis.

(Metro1)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui