Mesmo após comandante negar, Soldado Prisco garante que a PM-BA está em greve

0
752
-
Foto: Luiza Lopes/bahia.ba

O deputado estadual Soldado Marco Prisco (PSC) falou ao Voz da Bahia na manhã desta quarta-feira (09) a respeito da greve da Policia Militar da Bahia que ele deflagrou na tarde de terça-feira (08) (leia aqui). Embora o comandante geral da PM-BA, Anselmo Brandão, tenha negado que haja uma greve da polícia na Bahia (relembre aqui) o deputado afirmou que os policias estão sim em estado de greve por tempo indeterminado.

“A greve existe. Claro. Foi deflagrada no dia ontem as 17 horas. Com cerca de 7 mil policiais que se encontravam na AL-BA (Assembleia Legislativa do Estado da Bahia). A greve é real. Está tendo vários arrastões me Salvador, lojas foram assaltadas, ônibus foram saqueados, eles estão dizendo que é fake news e a população merece uma resposta. A greve existe e ela está aí. Em 2012 foi assim, e 2014 foi assim, ela só está se fortalecendo com essa fala deles”, disse ao repórter Marcus Augusto. E seguiu afirmando: “eles estão dizendo isso, mas ontem aconteceu vários arrastões, várias lojas foram arrombadas. E ele próprio deu entrevista hoje, e no final depois que acabar tudo isso, tudo volta anormalidade’, ou tudo volta à normalidade? Como é que não tem nada? “, questionou.

- Anúncio -

O deputado Prisco ainda afirmou que nesta manhã os policiais estariam reunidos, “hoje nós estamos aqui com cerca de 4 mil policiais, uma parte está em casa e vai estar retornando mais tarde. Então temos de quatro mil a 6 mil aqui na ADELBA em Salvador”, informou.

Marco disse que a greve foi deflagrada com base em revindicações que não foram atendidas no ano de 2014, quando a categoria também parou. “Eles fizeram um acordo com a categoria em 2014, um acordo que eles não cumpriram. Dentro das pautas está o plano de carreira.  A categoria não tem um plano de carreira. Leva 24 anos para dar o primeiro passo para cá. A categoria não tem a periculosidade, o que é um absurdo. Nós somos a categoria mais periculosa da Bahia, e não temos direito a periculosidade. É uma lei inclusive estadual, e há 18 anos o pessoal está regulamentado. Só um decreto para ele baixar, e é única categoria da Bahia que não recebe”, explicou. Prisco revela que entre as revindicações estaria também aumento no auxílio alimentação e isenção de ICMS sobre armas, “nós temos uma gratificação que ele precisa aumentar, isenção do ICMS de armas nós temos e até agora ele não concedeu, e o Estado não perde nada com isso, só ganha porque o Estado não tem condições de comprar armas para todos os policiais. A questão do auxílio alimentação que é uma vergonha. Só R$ 12,00 que a gente recebe de 24 horas, ou de 12 horas, a gente só recebi R$ 12,00, e a Reforma do Estatuto que foi aprovada no grupo de trabalho que foi criada no primeiro momento, mas infelizmente não foi acordado. Ele não cumpriu o acordo”, contou.

O Soldado garantiu que não há nenhum cunho politico em sua movimentação em prol da categoria, “eu fui reeleito deputado com mais de 53 mil votos, agora recente. A minha próxima eleição é daqui há 3 anos e meio. Não estou querendo aparecer, primeiro porque eu não preciso. O Governador fez a política da vida dele assim, ele chegou a Governador dessa forma. Eu estou fazendo a defesa de uma categoria que defende a sociedade, mas o movimento não político, mas o Governador quer fazer um movimento político. Ele já projetou, já lançou a candidatura dele a presidente da república, nós não. Ele sim está fazendo movimento político”, concluiu o deputado.

Reportagem: Voz da Bahia

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui