Na despedida da Série A, Tricolor pega o Fortaleza de olho em prêmio por posição

-
Destaque na série A, Gregore será titular no jogo deste domingo contra o Fortaleza. Foto: Divulgação/ Felipe Oliveira

O sonho de conquistar uma vaga na Taça Libertadores após 30 anos ficou apenas no imaginário da torcida e do elenco do Bahia. Isso por conta da alarmante queda de rendimento no segundo turno do Campeonato Brasileiro, que deixou duras marcas no currículo do Tricolor. O time comandado por Roger Machado ganhou apenas uma partida em casa das últimas nove disputadas, acumulando a pior série como mandante de sua história, e teve a sua segunda pior sequência sem triunfos na elite, somando nove ao todo.

A despedida, em casa, diante da nação tricolor, contra o Vasco, foi com um melancólico empate. Mas ainda há esperança de que o time possa encerrar a sua participação no Brasileirão de forma honrada, com garra, neste domingo, 8, às 16h, contra o Fortaleza, no Castelão. E os motivos são bem simples, porém extremamente atrativos.

Atualmente na 11ª colocação, o Esquadrão de Aço pode acabar, caso vença o seu jogo e o Goiás não ganhe do Grêmio, na nona posição. Caso perca para o time cearense e Vasco e Atlético-MG ganhem seus respectivos duelos, o Bahia pode despencar na tabela e terminar com o 13ª lugar.

Então, você se pergunta: mas se não tem mais chance de Libertadores, a Sul-Americana está garantida e não pode ser rebaixado, qual a diferença entre acabar em 13º ou 9º? E é justamente daí que pode surgir um último gás ao elenco. Quanto melhor a posição na tábua de classificação, mais dinheiro no cofre do clube.

E nada como ‘verdinhas’ envolvidas para tirar aquele algo a mais dos jogadores de um time sem pretensões na competição. O nono colocado, por exemplo, vai embolsar R$ 19,8 milhões, enquanto o 13º fatura a premiação de R$ 13,7 milhões. Uma diferença de mais de R$ 6 milhões na conta. Ou seja, motivo de sobra para dificultar, e muito, a vida do Fortaleza.

A outra motivação é igualmente importante para clube, jogadores e comissão técnica. Eles têm a chance de alcançar a melhor colocação do time na Série A na era dos pontos corridos – em 2018, acabou em 11º, o melhor lugar até aqui –, além de atingir a maior soma de pontos na elite. Pode chegar a 52 pontos, em caso de vitória – em 2017 somou 50, a melhor pontuação.

“Estamos chegando na última rodada com possibilidade de vencer e ter melhor campanha. Com a queda no final, o torcedor fica frustrado, aparentemente o trabalho está finalizando com sentimento de que poderia ter sido diferente. Mas é o futebol. As avaliações serão feitas para que a gente não erre novamente nos próximos momentos”, comentou o técnico Roger Machado.

Problemas

Para o duelo de hoje com o Fortaleza, Roger não poderá contar com o volante Flávio, suspenso pelo acúmulo de cartões amarelos. Ronaldo deve ficar com a vaga do camisa 5. Expulso contra o Vasco, Arthur Caíke também está fora. (A Tarde)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui