Polícia investiga denúncia de estupro a jovem com deficiência mental em Vitória da Conquista; vizinho é suspeito

-
Polícia investiga denúncia de estupro a jovem com deficiência mental em Vitória da Conquista, na Bahia — Foto: reprodução/TV Bahia

A família de uma jovem de 18 anos, denunciou à polícia, que ela foi vítima de estupro em Vitória da Conquista, no sudoeste da Bahia. De acordo com a Polícia Civil da cidade, o caso é investigado na Delegacia Especial de Atendimento à Mulher (Deam).

Conforme informações apuradas pela polícia, o crime teria acontecido em um motel de Vitória da Conquista, em setembro deste ano. Em depoimento à polícia, o suspeito, que não teve a identidade divulgada, assumiu que manteve relação sexual com a vítima e alegou que houve consentimento da jovem. A garota nega e diz que como é homossexual, o homem falou que queria fazê-la gostar de homem.

“Quando cheguei lá [no motel] ele mandou eu descer do carro. Depois ele pegou, me jogou na cama e tirou minha roupa à força, eu não consegui sair . Depois de fazer tudo que ele tinha para fazer, ele disse que se eu falasse para alguém, ninguém ia acreditar em mim porque eu sou louca e também ia acabar com o casamento dele, e que estava fazendo isso pra eu gostar de homem”, disse a jovem que preferiu não se identificar.

A situação ocorreu depois que a mãe da vítima passou mal e o vizinho prestou socorro para a família, levando a mulher até o hospital.

Mãe, filha e uma amiga foram com o homem no carro. Ao chegar na unidade de saúde, a mulher e a amiga entraram, já a jovem ficou dentro o carro com o homem. No veículo, ele teria feito perguntas sobre assuntos sexuais e depois convidou a jovem para fazer um lanche, mas acabou levando ela para o motel.

“Quando cheguei lá [no hospital] o porteiro disse que não podiam ficar duas acompanhantes. A minha amiga entrou comigo e minha filha ficou com o elemento [o suspeito]. Ele ficou fazendo perguntas para ela, porque ela gostava de mulher e ficou alisando as pernas dela e depois ele chamou para fazer um lanche e levou ela para o motel, sem consentimento dela, ela não conhecia o que era motel”, disse a mãe, que também preferiu não se identificar.

No dia seguinte ao ocorrido, a família ficou ciente do caso e registrou boletim de ocorrência na Deam, onde a jovem foi ouvida e também foi encaminhada para fazer exame de corpo de delito. A família também apresentou um laudo psiquiátrico que comprovaria que a vítima tem retardo mental, o que caracteriza o caso como um estupro de vulnerável.

“O inquérito foi instaurado no mesmo dia do relato da vítima. Já ouvimos a vítima, as testemunhas da família e o vizinho. Não há dúvidas que houve a relação sexual, ele confirmou que ocorreu e ele alega que teve consentimento. A família apresentou um documento de que a vítima tem uma deficiência mental e agora estamos aguardando perícia médica do estado. Uma vez comprovada que a deficiência mental dela a incapacitava de dar um consentimento para o ato sexual, o crime passa a ser de estupro de vulnerável”, explica o delegado Luís Henrique Machado , que está à frente das investigações. (G1)