Goleiro da Juazeirense relata insulto racista de torcedor em Goiás

0
101
-
Foto: Divulgação

O goleiro Deijair relatou ter sido vítima de racismo durante a partida entre Juazeirense e Aparecidense-GO, neste sábado (18), pela Série D do Campeonato Brasileiro. Durante o confronto, vencido pelos goianos por 2 a 1, o atleta afirmou ter sido chamado de macaco. O arqueiro ainda se dirigiu ao alambrado para confrontar o torcedor e acabou sendo expulso da partida.

Esposa de Deijair, a advogada Luamar Sepúlveda comentou o caso. Ao Bahia Notícias ela explicou o ocorrido: “Fui surpreendida com a notícia que meu marido tinha sofrido um ato de racismo. Aguardei ele sair do jogo e confirmei com ele. Ele me passou que no meio do segundo tempo, inclusive a transmissão que estava passando no My Cujoo foi suspensa após a confusão. Alguns torcedores da Aparecidense começaram a ofender os jogadores da Juazeirense. Um torcedor específico atirou um copo de cerveja no Deijair e o chamou de negro, fedido, fuleiro… E algumas pessoas no local também escutaram o chamando de macaco. Ele se chateou, reportou ao quarto árbitro, que passou para o árbitro que incrivelmente o expulsou alegando estar tumultuando a partida”, relatou Luamar.

- Anúncio -

Ainda segundo a advogada, Deijair tentou prestar queixa em um posto policial, mas foi informado que não haveria a possibilidade de fazer o Boletim de Ocorrência no local. Com isso, ela afirmou que está aguardando o goleiro chegar em Juazeiro para fazer.  “Deijair não dormiu e está muito abalado. Vamos fazer o Boletim em Juazeiro e também faremos uma denúncia ao Ministério Público para se tratar do caso”.

“Estamos cansados, são coisas que acontecem no nosso cotidiano. Mas agora foi dentro do trabalho dele, e eu, como esposa e advogada, não deixarei meu marido ser lesionado. Queremos mostrar para as pessoas que isso ainda acontece e queremos acabar com isso”, lamentou a advogada.

Ela ainda criticou a Aparecidense, que como mandante do jogo, apenas publicou em suas redes sociais que “não compactua com esse tipo de atitude”.

“A Aparecidense foi tão leviana que publicou que não compactua com esse tipo de atitude. O que é esse tipo de atitude? O descaso é tamanho que não fizeram nenhuma nota oficial. Vamos pensar no que fazer um pouco mais a frente. Mas no momento nosso interesse não é comercial”.

Na súmula do jogo, o árbitro Silvio André Loureiro de Lima relatou o motivo da expulsão: “Aos 42 minutos do segundo tempo, expulsei com cartão vermelho direto o referido atleta, por sair do banco de reservas de sua equipe e dirigindo-se ao alambrado, o mesmo chutou o alambrado e tentou agredir um torcedor caracterizado com as cores da equipe A.A. Aparecidense. O atleta expulso alegou ter sido xingado pelo torcedor envolvido de macado. Cumpro informar que o quarteto de arbitragem não presenciou tal fato e, até o fim deste relatório não foi apresentado a identificação do torcedor envolvido e nem o boletim de ocorrência do atleta da equipe Juazeirense”.

Logo após a partida, o Cancão de Fogo lamentou o ocorrido em suas redes sociais.

“Lamentável. O respeito precisa estar dentro e fora de campo. O goleiro Deijair tem todo nosso apoio e solidariedade. O jogador foi vítima de mais um ato de racismo no futebol durante partida contra Aparecidense na Série D do Brasileirão em Goiás. Se já não bastasse sofrer com um dos piores sentimentos existentes no ser humano, o goleiro chegou a ser expulso do confronto”. (Bahia Noticias)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui