Ministério Público da Bahia abre investigação por ato de racismo de segurança na loja Zara

Foto: Reprodução / Instagram

O Ministério Público da Bahia (MP-BA) instaurou um procedimento administrativo para investigar o episódio de racismo sofrido pelo cidadão da Guiné Bissau, Luís Fernandes Júnior, na loja Zara, no Shopping da Bahia. O caso aconteceu no dia 28 de dezembro de 2021. A investigação será conduzida pela promotora de Justiça Lívia Vaz, conhecida por sua atuação no combate ao racismo.

O caso chegou à Promotoria de Justiça e Direitos Humanos através da Comissão de Defesa dos Direitos Humanos Dom Paulo Evaristo Arns. O ato de racismo teria sido praticado por agente de segurança do Shopping da Bahia. Luís Fernandes havia acabado de comprar uma mochila na loja, e mesmo comprovando que adquiriu o produto com a nota fiscal, foi acusado de furto e foi humilhado pelo guarda.

Ele foi abordado dentro do banheiro do shopping, que fica próximo a uma estação de metrô. A vítima relatou que o segurança pegou a mochila de suas mãos mandando ele devolver o produto para loja Zara. Mesmo mostrando a nota fiscal, o bem foi retirado das mãos pelo funcionário do shopping para devolver para a loja. Até a loja testemunhou que ele havia adquirido a mochila. (Bahia Noticias)