Por fraude à cota de gênero, TSE anula votos de vereadores do PDT nas eleições de 2020

Por fraude na cota de gênero com candidaturas de ‘laranjas’, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) anulou todos os votos de quatro vereadores do Partido Democrático Trabalhista (PDT), eleitos em 2020 na cidade de Uauá, no norte da Bahia.

Na decisão proferida na noite de terça-feira (21), o TSE reconheceu a existência de fraude à cota de gênero a partir da candidatura de Carla Daiane da Silva Capistrano, que considerada foi totalmente fictícia e fraudulenta. O argumento é de que, além dela não obter nenhum voto – incluindo o dela mesma –, a candidata não declarou bens à Justiça Eleitoral e não praticou nenhum ato de campanha em favor da sua candidatura.

Além disso, ela teria feito campanha ostensiva, inclusive nas redes sociais, em prol de outros candidatos. No total, o PDT concorreu com 15 pessoas e elegeu quatro dos 11 integrantes da Câmara de Vereadores de Uauá: Mário Oliveira, Bruno Lima, Rodrigo de Zé Mário e Leila de Jorge Lobo.

Com isso, todos os diplomas dos quatro eleitos foram cassados. O TSE determinou ainda que haja um recálculo dos quocientes eleitoral e partidário.

Em nota, o PDT da Bahia anunciou a intervenção no diretório municipal do partido em Uauá após a decisão do Tribunal Superior Eleitoral.

“Nós damos total independência aos diretórios municipais para que eles atuem nas eleições. Mas não podemos compactuar com fraudes. Por isso, já estamos fazendo a intervenção no partido em Uauá e vamos trabalhar para isso não se repetir. O PDT preza pelo respeito às candidaturas femininas e à legislação eleitoral. Apoiamos a decisão do TSE”, disse o presidente do partido na Bahia, deputado federal Félix Mendonça Júnior. (bahia.ba)