China imita o nazismo e ordena queima de Bíblias e livros de outras religiões

-
Foto: Reprodução

Imagens de livros removidos de bibliotecas da China e queimados publicamente circularam pela imprensa ao redor do mundo, e foram comparadas aos gestos perturbadores da campanha nazista. A intensa perseguição religiosa imposta pelo Partido Comunista (PCC) no país, liderado pelo presidente Xi Jinping, demonstra estar longe do fim.

O sociólogo da religião Massimo Introvigne publicou um artigo no site da revista Bitter Winter, dedicada à abordagem da liberdade religiosa e Direitos Humanos na China, afirmando que o temor de que se repita no país o que a Europa viu acontecer há mais de oito décadas é real.

“Em 1933, o Partido Nazista na Alemanha lançou sua infame campanha de queima de livros. Milhares de livros considerados ‘judeus’, ‘não alemães’ ou contra o Partido Nazista foram removidos das bibliotecas e queimados publicamente. Embora o regime nazista também tenha sido responsável por piores atrocidades, as imagens dos livros queimados em 1933 permanecem na memória coletiva da Europa, como um lembrete de que aqueles que começarem a queimar livros um dia também queimarão seres humanos, em Auschwitz e em outros lugares”, alertou Introvigne.

Na visão do sociólogo, “a história está se repetindo na China”, já que recentemente uma imagem circulou nas redes sociais com livros sendo queimados na frente de uma biblioteca pública do condado de Zhenyuan, na província de Gansu.

“Os jornais do PCC comentaram que ‘a biblioteca limpou e destruiu completamente livros ilegais, publicações religiosas e, especialmente, livros e artigos com preconceitos’”, narrou o sociólogo, antes de pontuar que a perseguição se estende também contra outras minorias religiosas, incluindo muçulmanos.

“Comentários nas mídias sociais na China (a maioria deles na popular plataforma chinesa Weibo, removida posteriormente pelas autoridades ) notaram que os livros também foram queimados durante a Revolução Cultural e muitos se referiram à expressão chinesa ‘queima de livros e enterro de estudiosos’ (焚書坑儒), usado para designar a infame queima de textos em 213 a.C., seguida pelo enterro ao vivo de 460 estudiosos confucionistas em 212 aC, pelo imperador Qin Shi Huang (秦始皇, 259-210 a.C.), o fundador da dinastia Qin”, contextualizou.

Introvigne salienta que o que “aconteceu no condado de Zhenyuan não é um incidente isolado”, ja que há registros de ordens semelhantes em outras ocasiões: “Ele segue as instruções enviadas em outubro de 2019 pelo Ministério da Educação às bibliotecas escolares de toda a China para remover e destruir livros ‘que danificam a unidade do país, a soberania ou seu território; livros que perturbam a ordem da sociedade e prejudicam a estabilidade da sociedade; livros que violam as diretrizes e políticas do Partido [Comunista], mancham ou difamam o Partido, os líderes e heróis do país”.

A repercussão negativa nas redes sociais obrigou o governo do condado a publicar uma declaração negando que tenha ocorrido uma destruição indiscriminada de livros: “Os funcionários não selaram e destruíram coletivamente [os livros] de acordo com os regulamentos, mas queimaram os 65 livros ilegais na pequena praça em frente à biblioteca”, dizia trecho da nota.

Para o sociólogo, a declaração não negou que as publicações “ilegais” deveriam ter sido destruídos: “[O governo] apenas comenta que não era prudente queimá-los a céu aberto, onde alguém poderia tirar fotos”, observou Introvigne.

por: Tiago Chagas – Gospel +