Após fala de Genival sobre a aquisição dos vereadores da oposição, Zé Reis aponta: “uma declaração de que ele comprou apoio do legislativo”

Foto: Voz da Bahia

Durante suas fortes críticas a falta de respeito com o acervo histórico do poder legislativo de Santo Antônio de Jesus, onde fotografias e quadros dos vereadores antigos da cidade foram abandonados (veja aqui); o advogado e ex-edil, José Reis Filho (PTB) aproveitou para falar sobre a nova gestão municipal e do quadro de aquisição de novos vereadores da oposição para a sua administração.

Segundo o advogado, citação onde o prefeito Genival Deolino (PSDB) afirmou que: ‘precisávamos fazer a Câmara e essas pessoas vieram junto com os novos vereadores em nosso grupo(reveja aqui), “Genival apenas confirmou que os vereadores da Câmara Municipal de Santo Antônio de Jesus foram comprados, infelizmente o poder legislativo é um poder de 5ª categoria no município, ele vem depois de todos os outros e você vê isso como exemplo, na declaração do nosso querido prefeito, que disse que teve que nomear pessoas da oposição para ‘fazer a Câmara‘, ele trouxe vereadores que trouxeram correligionários para ocupar cargos. Isso é uma declaração de que ele comprou apoio do legislativo e isso é lamentável. Para um prefeito que pretende trabalhar pela cidade – eu não vou comentar a administração antes dos 100 dias – é um absurdo essa declaração. Fazer a Câmara pra que? A Câmara é do povo. A população já o elegeu prefeito, ele não precisa gastar com cargo para colocar pessoas”, falou.

O advogado deu um exemplo do que acontece na cidade depois de nomear pessoas indicadas e correligionários: “teve uma indicação de um componente da Câmara, que indicou uma direção na área de saúde, e o secretário Leonel Cafezeiro, de forma muito consciente não aceitou a indicação inicialmente, mas depois teve que aceitar porque só servia esse cargo e essa diretoria, e como tinha o compromisso ela foi nomeada. Agora, os servidores da secretaria e o próprio secretário, é que estão tomando as providencias e fazendo o serviço desta pessoa. Isso é coisa de cidade provinciana, não para uma do porte e nível de Santo Antônio de Jesus”, concluiu.

Redação: Voz da Bahia