ABNT adota expressão ” sinistro de trânsito”

binary comment

A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) publicou a revisão da norma 10697/2018 e redefiniu os termos técnicos usados na preparação e execução de pesquisas e elaboração de relatórios estatísticos e operacionais sobre incidentes de trânsito. Houve a correção da expressão “ acidente de trânsito”, substituída por “sinistro de trânsito”, com a supressão do entendimento de sinistro “ não premeditado”.

Segundo o presidente da Associação Brasileira de Medicina do Tráfego (Abramet), Antônio Meira Júnior, a adoção do termo “sinistro” e a requalificação da norma é uma vitória importante da entidade, que sempre defendeu essa bandeira, para ações e políticas voltadas à preservação da vida no trânsito. “ Chegamos ao entendimento que os acidentes, na sua maioria, não são acidentais, do acaso, e sim provocados, sendo passíveis de prevenção. Por isso, a expressão sinistro é a mais adequada”.

Números

O trânsito é um dos principais fatores de morte não natural no Brasil. Além do alto número de óbitos, os sinistros também causam sequelas que retiram a saúde e a qualidade de vida de milhares de pessoas todos os anos no país. Apontado como um dos mais violentos do mundo, o trânsito brasileiro compõe um quadro permanente de epidemia.

São mortes diárias com alto custo para o sistemas de saúde público e privado. De 2009 a 2019, o Ministério da Saúde registrou 1.636.878 vítimas do tráfego com ferimentos graves. Em 2017, mais de 35 mil pessoas morreram em decorrência de sinistros de transporte terrestre. Mapeamento realizado pela Abramet revela que internações e outros procedimentos médicos realizados com vítimas nos serviços da rede pública de saúde custaram cerca de R$ 3 bilhões, neste mesmo período.

Fonte: Portal do Trânsito