Baiana Amanda Nunes defende cinturão do UFC contra Holly Holm

0
97
-
Foto: reprodução/UFC

Não vai faltar emoção para os fãs de MMA (artes marciais mistas) que acompanham o UFC. Neste sábado, 6. o card do evento, que ocorre em Las Vegas, nos Estados Unidos, contará com dois combates pelo cinturão. Na luta principal, o norte-americano Jon Jones, o maior peso por peso da atualidade, coloca o seu título do meio-pesados em jogo contra o brasileiro Thiago ‘Marreta’. Já no coevento a baiana Amanda Nunes, a Leoa, faz a defesa dos peso galo feminino diante da norte-americana Holly Holm, ex-campeã da organização.

Para o combate no UFC 239, Amanda comentou sobre a estratégia traçada e pregou atenção diante da adversária. “Ela é uma atleta perigosa, se movimenta muito bem, tem o kickboxing e o boxe bastante apurados. Eu sei que ela vem treinando ‘clinch’, que ela usou contra a Cyborg, eu sei que ela está trabalhando chão, que usou contra a Megan Anderson. A Holly está evoluindo bastante. Para lutar contra uma atleta como a Holly, você tem que estar preparada para tudo”,disse a Leoa, em coletiva por meio de redes sociais realizada no dia 2 de julho,

Se por um lado, temos a mão pesada da brasileira, responsável por 12 nocautes das 17 vitórias que ela conquistou até o momento em sua carreira, do outro, temos Holm que segue com a invencibilidade de nunca ter sido nocauteada. Sobre isso, Amanda garantiu que manterá sua estratégia, independente do histórico da americana.

“Eu estou preparada para lutar cinco rounds. A gente não pode entrar no ‘cage’ pensando que vai ganhar rápido. Me preparei para cinco rounds, vou tentar nocautear quando tiver a oportunidade, mas não me prendo a isso”, afirmou a baiana.

Apesar das expectativas, não dá para negar que o momento das duas lutadoras são completamente diferentes. Enquanto Amanda vem como um trator, após vencer oito lutas consecutivas, a Holm atravessa uma situação instável na sua carreira, com apenas duas vitórias nas últimas seis lutas. Mesmo assim, a brasileira preferiu pregar respeito e garantiu ser a luta ideal para ela neste momento.

“A Holly lutou com as maiores da categoria. Foi ‘main event’ de vários shows, fez aquela luta duríssima com a Cris, ganhou da Ronda. Ela não estava vindo muito bem, mas se você olhar a categoria, não tinha ninguém. Holly foi campeã no boxe, no UFC, se você parar para pensar foi uma boa escolha para defender o cinturão. E somos as duas que ganhamos da Ronda, tem uma história. Acho que a luta faz sentido”, relembrou.

Após a luta contra a compatriota Cris Cyborg, especulou-se sobre uma possível aposentadoria de Amanda. A brasileira aproveitou a oportunidade para afastar os rumores a respeito do fim da sua carreira. “Minha mãe vinha me pedindo para parar e tudo. A última luta foi muito pesado para ela. A Cris era a mulher mais temida, eu vindo da categoria de baixo, magrelinha, ela ficou bastante preocupada […] Mas aí cheguei aqui nos Estados Unidos, coloquei o pé no chão e decidi que tenho que continuar. Agora que as coisas estão acontecendo eu vou parar?”, concluiu. (A Tarde)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui