Caminhoneiros mantêm promessa de greve; governo congela ICMS de combustíveis

Foto: Divulgação

As principais associações de caminhoneiros prometem desde o final de outubro uma greve para o próximo dia 1º de novembro. Em meio às incertezas, crescem os apoios à paralisação, apesar da desconfiança com a qual o governo trata o assunto.

De acordo com a Folha de São Paulo, a Federação Nacional dos Empregados em Postos de Combustíveis e Derivados de Petróleo (Fenepospetro) vai orientar frentistas de postos de combustível a acolherem e apoiar, com infraestrutura, os caminhoneiros.

O apoio acontece devido à Medida Provisória assinada em agosto, proposta pelo deputado federal Kim Kataguiri (DEM-SP), que implementa o autoatendimento nos postos. O presidente da Fenepospetro, Eusébio Neto, diz que a iniciativa pode custar o emprego de 500 mil trabalhadores.

Nesta quinta-feira (28), a Central Única do Trabalhador (CUT) publicou um comunicado assinado com a Força Sindical, UGT, CTB, NCST, CSB, CSP, Conlutas e outras entidades no qual apoia a paralisação dos caminhoneiros.

“As Centrais Sindicais apoiam o movimento dos caminhoneiros e convocam todo o movimento sindical a expressar sua solidariedade a essa luta que é de todos os trabalhadores”, diz a nota.

A CUT ainda cita uma pesquisa da Fretebras, plataforma de transporte de cargas, que diz que 59% dos caminhoneiros de sua base apoiam a greve contra a alta dos preços dos combustíveis. “Estamos passando dificuldades. Esperamos que o governo Bolsonaro atenda as nossas reivindicações. O preço do diesel está um absurdo”, disse Vanderlei de Oliveira, presidente do Sindicato dos Transportadores Autônomos de Carga de Navegantes-SC (Sinditac).

Segundo a Petrobras, o preço do diesel subiu, desde o início do ano, mais de 60% nas refinarias, sendo 10% nesta semana. De acordo com levantamento da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), houve alta de 37% no preço do diesel na média nacional. A Fundação Getúlio Vargas (FGV) indica que o motorista brasileiro acumula alta de 18,26% de inflação nos últimos 12 meses, a maior ao grupo em 21 anos, puxada pelo aumento do preço do etanol (64,45%), gasolina (40,46%) e gás natural (37,11%).

Entre as demandas reivindicadas no comunicado estão: redução do preço do diesel e revisão da política de preços da Petrobras (Preços de Paridade de Importação, que vincula o preço do petróleo ao mercado internacional); piso mínimo do frete; retorno da aposentadoria especial com 25 anos de contribuição; aprovação do Marco Regulatório de Transporte Rodoviário de Carga (PLC 75/2018) e criação e melhoria dos Pontos de Parada e Descanso.

O Grupo de Pesquisa e Extensão em Logística Agroindustrial da Escalq/USP infica que o combustível responde a 39% das despesas do transporte rodoviário. Um projeto de lei do governo tenta alterar a cobrança de ICMS dos combustíveis, o que foi rechaçado pelo presidente da Associação Brasileira dos Condutores de Veículos Automotores, Wallace Landim, o Chorão, um dos líderes da paralisação de 2018 e um dos principais defensores da greve a partir de 1 de novembro.