Embaixadora do Brasil na ONU protagoniza bate-boca com Jean Wyllys; veja vídeo

0
132
-
Foto: Reprodução / Facebook

O ex-deputado federal Jean Wyllys se envolveu em uma discussão com a embaixadora do Brasil na Organização das Nações Unidas (ONU) Maria Nazareth Farani Azevedo, durante um debate sobre o populismo no mundo, nesta sexta-feira (15), em Genebra, na Suiça. A discussão protagonizada por Jean e Maria Nazareth foi motivada por uma fala em que o ex-deputado alertou para uma suposta relação entre o crime organizado e o governo brasileiro, Na ocasião, Jean Wyllys ainda citou o o assassinato da vereadora do Rio de Janeiro Marielle Franco. “Novos autoritarismos, como o do Brasil, continuam elegendo inimigos internos da nação por meio da difamação e constituindo grupos para culpá-los pelos problemas econômicos”, disse Jean em um momento. “A diferença é que agora estão articulados com as novas tecnologias da informação. Articulam com organizações criminosas que se infiltram no estado, e tem um fundo religioso e moralista muito mais acentuado”, completou o ex-deputado que renunciou ao mandato alegando sofrer ameaças de morte.

Segundo o jornalista Jamil Chade,  Maria Nazareth não estava presente no ambiente quando o ex-parlamentar realizou o discurso. Mas se fez presente nesta sexta e pediu a palavra durante o debate. Quando a mediadora deu a palavra para a embaixadora, ela saiu em defesa do presidente do Brasil, Jair Bolsonaro. “Bolsonaro não abandonou o Brasil, mesmo depois de ter levado uma tentativa real de tirar sua vida”, disparou Maria Nazareth. “[Bolsonaro] não é um criminoso e seu governo não é uma organização criminosa”, afirmou a embaixadora, que ainda esclareceu que o presidente do Brasil “não é racista, fascista ou autoritário”. No discurso Maria Nazareth ressaltou ainda que o governo Bolsonaro prometia defender os direitos humanos. Neste momento, segundo Chade, a sala composta por ONGs e ativistas começou a rir. A embaixadora disse também se tratar de fake news dizer que homossexuais estão sendo perseguidos e afirmou que existe uma preocupação do governo com essas pessoas. “Eles não estão sendo discriminados”, garantiu. (Bahia Noticias)



DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui