Pier de Camamu tem aglomerações em escunas após restrições em Maraú

Foto: BNews

O desrespeito contra as medidas de isolamento social continuam no interior da Bahia. Circulam nas redes sociais imagens de escunas lotadas e aglomeração no pier de Camamu (BA), no fim de semana. Por lá, não há proibições. Então, os turistas que fazem passeios das ilhas da Península de Maraú (BA) – que proibiu as escunas de atracar nos portos de Barra Grande, Campinho e Ilha do Sapinho por meio de decreto – migraram para o local. 

A Prefeitura de Maraú determinou medidas restritivas por 30 dias na semana passada após o crescimento de casos de Covid-19. O decreto proíbe temporariamente, todas as embarcações com finalidade turística na modalidade “day use” advindas de quaisquer outras localidades atracar em qualquer dos portos da Península, sujeitando ao barqueiro responsável apreensão imediata da embarcação em caso de descumprimento das medidas adotas. O novo decreto também faz restrições no horário de funcionamento no período noturno para todos os estabelecimentos comerciais, os quais deverão encerrar suas às 0h30.

As barracas de praia, restaurantes a beira mar e assemelhados não poderão, durante o período em que perdurar este decreto, ofertar entretenimentos tais como bandas, conjuntos musicais, shows, shows com DJs e/ou com músicas eletrônicas e/ou similares, que possam incitar aglomerações e/ou manifestação dançante em ambientes, sendo permitido portanto, apenas música através de som ambiente, voz e violão.

As empresas que atuam com qualquer tipo de transporte para uso coletivo com finalidade de linha (bate-volta), sejam terrestres, fluviais ou marítimos deverão promover as devidas adequações, reduzindo inclusive a capacidade de lotação em 50%.

O secretário da Saúde da Bahia, Fábio Vilas-Boas, lamentou as aglomerações registradas no interior, no fim de semana. “Isso é muito triste, porque revela duas coisas: primeiro, a falta de sensibilidade das pessoas com o momento que estamos vivendo, de mortes em número crescente. […] Não é momento de estar comemorando nada. É momento de estarmos constritos, lamentando, preocupados. E não celebrando, fazendo festinha em apartamento, casa ou live transmitida pela internet. Eu não concordo com isso”, declarou, em entrevista à TV Bahia.

Nesta segunda-feira, (15), o boletim epidemiológico da Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab) sobre a Covid-19 registrou 63 óbitos. Na semana passada, os números demonstraram uma tendência de crescimento dos óbitos e de quadros clínicos mais graves, o que tem ampliado a taxa de ocupação nas UTIs. (BNews)