Via Bahia pediu que motoristas pagassem R$ 14 de tarifa e governo quer intervenção; “deboche com o baiano”

Foto: Divulgação

A Via Bahia, que administra cerca de 680 quilômetros de rodovias no estado, continua no alvo do Governo Federal. O ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, disse nesta terça-feira (22/6) na Câmara dos Deputados que planeja uma intervenção no grupo por conta do trabalho precário que vem sendo realizado, segundo ele. 

“É um caso sério, a pior concessão do Brasil. Estamos travando uma batalha contra ela […] Aí você tem o comportamento oportunista. A concessionária está lá arrecadando e não quer sair. Aí temos que tirar. Para isso, tenho que dar um plano de cura e ela tem que descumprir. Vou enfrentar várias ações e estamos nesse processo”. 

“Tivemos as primeiras decisões da corte arbitral, que fica no Canadá. Todas as decisões são favoráveis a nós. Até uma questão importante: isso tá previsto no contrato […] Eles arrecadaram 90% do que estava no plano de negócio e fizeram 30% de investimentos. Cadê a interseção com a [BR] 242? Não foi feita. Temos uma ponte interditada. Temos que ser enérgicos”, complementou o ministro.  

O chefe da pasta revelou ainda que a Via Bahia chegou a pedir um grande aumento no valor da tarifa, atualmente em pouco mais de R$ 2 no trecho que liga Salvador a Feira de Santana, por exemplo. 

“Temos recebidos ofertas da concessionária, que diz: ‘vamos fazer tanto de investimento, mas você aumenta a tarifa para 14’. Seria um tapa na cara do usuário. Estamos planejando uma intervenção na Via Bahia. Vamos varrer do mapa. É um deboche o que a Via Bahia faz com a população da Bahia. Não dá mais para suportar”, argumentou. 

BATALHA ANTIGA 

Não é a primeira vez que Gomes de Freitas critica a gestão da empresa. Em outubro de 2020, durante a entrega do primeiro trecho de duplicação da BR-116, reclamou de um investimento na ordem de R$ 700 milhões que não foi realizado. 

Em setembro do mesmo ano, o Aratu On revelou que a empresa já estava na mira do Governo Federal. O tema foi debatido de forma aberta no início de setembro, quando Tarcísio se reuniu com lideranças comerciais da Bahia para tratar da construção da Ferrovia Oeste-Leste. (AratuOn)