Anonymous invade dados de Malafaia e acusa pastor de receber ofertas dos fiéis

-
Imagem: Reprodução

Os hackers do grupo Anonymous invadiram dados particulares do pastor Silas Malafaia e o acusam de ter recebido doações de fiéis diretamente em sua conta-corrente. O líder da Assembleia de Deus Vitória em Cristo (ADVEC) reagiu dizendo que as acusações são falsas.

A acusação do grupo de hackers é que as doações feitas por fiéis via PagSeguro no site da ADVEC seriam direcionadas para a conta corrente do próprio pastor. O perfil AnonCyber destacou que o pastor teria retirado “a página de ‘doação’ do website dele após nossa intrusão”.

Usando o cartão de crédito do pastor, os ativistas do Anonymous fizeram uma doação de R$ 10 mil ao Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV), e expuseram seus dados pessoais, como número do cartão, CPF e endereço. Além disso, estipularam que a doação fosse repetida mensalmente.

“Doamos 10 mil reais em doações em nome de Silas Lima Malafaia,ajudando a combater o covid19 eu e meus amigos @an0nync e @AnonH4, sentimos muito pelas atitudes de @brzanonymous que só tira mérito das nossas madrugadas de busca pelas informações!”, escreveram os hackers no Twitter.

“Seus dados e crimes foram comprometidos, agora vamos ao servidor do seu website Sr Silas Malafaia, parece que vários fiéis foram enganados… que triste Sr Silas”, acrescentaram, na publicação feita na última quinta-feira, 04 de junho.

Resposta

Malafaia também usou o Twitter para afirmar que trata-se de um ataque com viés político e baseado em mentiras: “CANALHAS! Os esquerdopatas forjaram mentiras dizendo q dinheiro doados vieram para minha conta. Rackearam dados meus. Só atuam contra quem ñ é do viéis da esquerda. EM NOME DE JESUS VOCÊS VÃO SER DESCOBERTOS. AGUARDEM!”, afirmou o pastor.

O pastor não se manifestou sobre as doações que os hackers fizeram à Cruz Vermelha em seu nome.

No passado, hackers que se identificavam como integrantes do Anonymous já haviam invadido sites do pastor na modalidade “lulz”, que seria uma quebra da segurança apenas por diversão.

por Tiago Chagas – Gospel +