Bolsonaro acusa Doria de “fraudar” número de mortes em SP

-
Jair Bolsonaro no Palácio do Planalto Foto: Dida Sampaio / Estadão Conteúdo

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta sexta-feira (27) que o número de mortes no Estado de São Paulo pelo novo coronavírus “está fraudado” e teria por objetivo atender a interesses políticos do governador paulista, João Doria (PSDB).

Bolsonaro lançou dúvidas sobre as mortes em São Paulo e usou como justificativa a edição de um decreto estadual que, em suas palavras, passou uma orientação na qual, se uma pessoa não tiver uma causa mortis identificada, a morte seria registrada como novo coronavírus.

“Tem um estado aí que orientou via decreto que, em última análise aí, se não tiver uma causa concreta do óbito, bota aí coronavírus para colar. A gente lamenta isso aí, é uma atitude incorreta”, disse ele, em entrevista ao jornalista José Luiz Datena, no programa televisivo Brasil Urgente.

O apresentador, então, disse que era em São Paulo. Inicialmente, o presidente disse que não iria falar por não querer polemizar com ninguém, mas depois acabou por questionar a atuação de Doria –com quem tem tido duros embates nos últimos dias em razão da atuação no combate ao avanço do novo coronavírus.

Desde a terça-feira desta semana, o Estado decretou quarentena como forma de amenizar a propagação do vírus. A iniciativa foi duramente criticada por Bolsonaro.

“Se é todo mundo de coronavírus, é sinal de que o Estado está fraudando a causa mortis daquela pessoa, querer fazer uso político de números, isso a gente não pode admitir”, disse.

De acordo com o último balanço divulgado pelo Ministério da Saúde, São Paulo registrou 68 mortes pela doença, de um total de 92 em todo o país.

Os casos confirmados por Covid-19 no Brasil são 3.417, dos quais 1.223 em São Paulo.

Instado por Datena após dizer que também discordava do teor do decreto e avaliar que São Paulo era o epicentro da doença no país, o presidente comparou números desatualizados de mortes no Rio de Janeiro com São Paulo para questionar os dados do estado mais populoso do país.

“Está muito grande para São Paulo (número de mortes), então, tem que ver o que está acontecendo ai, não pode ser um jogo de números para favorecer interesse politico. Olha, morreu tantos aqui no meu Estado, então justificou a medida que tomei”, disse.

“Não estou acreditando nesse número, até depois do decreto do governador aí”, completou.

O presidente disse ter visto uma entrevista dada por Doria um pouco antes no qual o governador paulista teria dito que na Itália não se tomou “o devido cuidado com os velhinhos”. Mas, segundo Bolsonaro, “os velhinhos estavam dentro de casa”.

“Não adianta querer torturar números de fora do Brasil para justificar aqui dentro”, criticou.

O governador paulista, a quem Bolsonaro chegou a chamar de “papagaio” pelas sucessivas entrevistas à imprensa nos últimos dias, é um potencial candidato ao Palácio do Planalto em 2022.

Em entrevista pouco depois a Datena, Doria disse inicialmente que não iria transformar o caso em um debate político, mas sim de saúde.

Ele disse que toda decisão foi tomada com base no assessoramento dado pelo Centro de Contingência do Covid-19 no Estado e segue um protocolo de diretrizes dadas pela Organização Mundial de Saúde (OMS) e do Ministério da Saúde.

“Todos os procedimentos seguem o mesmo alinhamento. Eu critiquei a campanha do presidente estimulando as pessoas a não sair de casa”, disse ele, ao destacar que, em princípio, não deve rever a decisão de manter a quarentena até o dia 7 de abril.

“Esperamos até lá não ter que renovar a quarentena, estamos trabalhando para reduzir o número de pessoas infectadas”, completou.

Procurada pela Reuters, a assessoria do governador encaminhou questionamento para a secretaria estadual de Saúde, que não respondeu de imediato.

Terra

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui