Crime ambiental: Turistas capturam tartarugas marinhas para fazer ‘selfies’ em área de proteção na BA

Turistas capturam tartarugas marinhas para fazer 'selfies' em área de proteção na BA — Foto: Reprodução/TV Bahia

Autoridades ambientais estão preocupadas com o crescimento de turistas que estão capturando tartarugas marinhas para tirar fotos, no Parque Municipal de Alcobaça, no sul da Bahia, que faz parte de uma área de proteção ambiental. O ato é considerado crime por captura e maus tratos de animais silvestres.

Nessa época do ano, as tartarugas retornam as praias onde nasceram para desovar. Muitas delas são de espécies ameaçadas de extinção, como a cabeçuda, a oliva e a de pente.

Com a maré baixa, os animais procuram os corais para se alimentar nos corais, mas os turistas estão aproveitando o momento para capturar as tartarugas e fazer “selfies” para as redes sociais.

Turistas capturam tartarugas marinhas para fazer 'selfies' em área de proteção na BA — Foto: Reprodução/TV Bahia
Turistas capturam tartarugas marinhas para fazer ‘selfies’ em área de proteção na BA — Foto: Reprodução/TV Bahia

Ainda segundo Marcelo, esse tipo de atitude estressa os animais e pode afastar as tartarugas do local, que passa a ser uma área insalubre para elas.

“Ela está em uma área tranquila, em uma área de alimentação e descanso. Primeiro que já chegam em embarcações, fazendo ruídos. Dezenas de pessoas, com protetor solar, bebendo, colocando música e isso já é ruim. Aí pegar o animal causa um estresse totalmente desnecessário”.

“Se isso continuar, que a gente espera que não continue, isso pode afastar as tartarugas daqui. As tartarugas são ótimos indicadores de qualidade ambiental. Elas estão aonde a qualidade ambiental é boa. Se ficar ruim, elas vão embora”.

Turistas capturam tartarugas marinhas para fazer ‘selfies’ em área de proteção na BA — Foto: Reprodução/TV Bahia

A perseguição aos animais para tirar foto tem entristecido e revoltado que trabalha como voluntário na área de preservação das espécies da região, como a ambientalista Neide Silva.

“Ele pode ter um estresse emocional. Às vezes elas vêm para comer ou desovar. Pelo estresse, acaba todo o sistema dele com a natureza e é muito revoltante”. (G1)