Dados do imposto de Renda explicitam vantagem de servidores federais e desigualdade

-
Foto: Divulgação / Fundação Getúlio Vargas

Números organizados pela FGV Social, sobre o Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF) no Brasil, deixa em evidência a enorme disparidade de rendimentos e a  levada concentração salarial nos funcionários públicos federais em relação ao resto da população.

Os números mostram que, devido aos servidores em Brasília, o Distrito Federal (DF) tem o maior rendimento médio entre as 27 unidades da Federação (considerando quem declara ou não o IRPF) e entre os declarantes apenas.

Na população total, a renda no DF é de R$ 2.981 mensais, ante R$ 1.228 na média geral do país. Ou R$ 11.994 entre os declarantes, diante dos R$ 8.528 na média dos que declaram IRPF. A capital federal também é a unidade da Federação onde há mais declarantes: 24,8%, justamente por causa dos empregos públicos e formais.

O compilado de dados da FGV Social mostra como o Brasil tributa, via Imposto de Renda, parcela pequena da população: 14,4%, menos que a média latino-americana e de muitos países do sul da Europa.

Mesmo assim, o país tem uma das maiores cargas tributárias entre os emergentes –e muito incidente sobre o consumo, onerando proporcionalmente mais os pobres. As informações são da Folha de S.Paulo.