Em relação ao que disse o ex-prefeito que na sua gestão os pacientes não morreram por falta de UTI-Covid, Dr. Leonel revida: “ele precisava dizer dos recursos que recebeu na sua administração”

Secretário de Saúde de Santo Antônio de Jesus, Dr. Leonel Cafezeiro / Foto: Voz da Bahia

O ex-prefeito de Santo Antônio de Jesus, Rogério Andrade (PSD), pontuou em entrevista ao Voz da Bahia sobre as ações contra a pandemia do coronavírus da administração do prefeito Genival Deolino (PSDB). Rogério afirmou em sua gestão ninguém morreu por falta de leito de UTI para Covid (clique e veja). O atual secretário de saúde da cidade, Dr. Leonel Cafezeiro, afirmou na Live do programa Meio-Dia e Meia que o que o ex-prefeito falou não significa nada, “em relação ao que Rogério afirmou, ele não está dizendo nada. Não morreu no seu governo porque tinha UTI. Se nós tivéssemos vagas de UTI hoje não teríamos tido nenhum óbito aqui na cidade, sendo que já tivemos 4, mas isso não é por conta da atuação do secretário de saúde, nem do prefeito atual”, respondeu.

Leonel aponta que o ex-prefeito precisava dizer dos muitos recursos que o mesmo recebeu em sua gestão no ano passado, “ele precisava falar, principalmente das ações que não tiveram resultado nenhum, como foi o caso das barreiras. Em relação a Central de Monitorização, nós já a ativamos, sendo que ela estava desativada antes. Temos conseguido até diminuir o número de casos, já chegamos a mais de 8 mil casos confirmados em Santo Antônio de Jesus, a pandemia agora está com decréscimo em nossa cidade. Já temos mais de 6 mil pessoas vacinadas, recebemos mais remessas de vacina e temos atuado. Muita coisa que foi feita no ano passado tinha que ser feita, pois ninguém tinha experiência nenhuma. Às barreiras que eram feitas no passado, hoje se sabe que não faz efeito. Não é decreto do prefeito, governador ou do presidente que vai resolver às coisas. O problema resolve quando às pessoas se conscientizarem que estão submetendo há um risco muito grande, a uma doença que é grave e que corre o risco de morte”, expôs.

Reportagem: Voz da Bahia