Geógrafo acredita que pode vir ocorrer mais tremores em S. A. de Jesus e nas cidades da região

Foto: Voz da Bahia

Nesta segunda-feira (31), o geógrafo Júnior de Jesus esteve no programa Meio-Dia e Meia na Live do Voz da Bahia e falou sobre o fenômeno do tremor de terra que abalou Santo Antônio de Jesus e outras cidades do recôncavo baiano.

Segundo Júnior, o fenômeno trata-se de algo natural e apesar de não ser frequente no país também existem casos, ” as pessoas no Brasil não precisam ter tanto medo porque aqui não ocorre como ocorre em outros países, inclusive nos países da América do Sul, na parte Oeste como Chile é comum de terremoto com grande magnitude. No Chile por exemplo, os terremotos acontecem por causa dos encontros das placas tectônicas, a placa sul-americana onde o Brasil está e a placa do pacífico. Elas se encontram se convergem, e aí causa tremor e até maremotos”, explica.

O professor aponta que dentro desse nível de escala 4.6 pode ser comum, “acontece no Brasil sobretudo no Nordeste é a região que tem maior atividade sísmica. O que é isso? As estruturas das rochas têm fissuras e a pressão faz com que tenha abalos sísmicos, que é chamado de terremoto e no Brasil, e no Nordeste no caso, acontece em níveis baixos na escala Richter, a escala que monitora esses fenômenos. É natural acontecer de 1.0, 2.0, agora acontecer 4.6 como no último domingo (30) (relembre aqui) já causam danos, rachaduras de casas, derruba material dos tetos em cima de mesa, ao ponto de você se assustar. É um ponto fora da curva”, explica.

Ainda sobre os terremotos no recôncavo, o professor alerta que poderá vir ocorrer mais nas próximas semanas, ” como liberou energia e modificou um pouco as estruturas rochosas internas do subsolo, os tremores secundários vão acontecer como aconteceu nesta madrugada, inclusive, tem tremores que acontece que a gente nem percebe porque é abaixo da escala e a depender da profundidade do epicentro nem chegam a superfície, mas devemos ficar alertas”, pontuou.

Reportagem: Voz da Bahia