Imagens do telescópio James Webb revelam ‘poder e majestade de Deus’

Foto: Divulgação

O telescópio espacial James Webb, desenvolvido em parceria da NASA com a Agência Espacial Europeia e a Agência Espacial Canadense, divulgou essa semana suas primeiras imagens científicas desde que foi lançado, e lideranças cristãs destacam que descobertas revelam ‘poder’ e ‘majestade’ de Deus.

“[É] por isso que queremos estudar os céus, para que possamos observar a incrível glória de nosso Deus”, disse Rob Webb, engenheiro aeroespacial da Answers in Genesis e ex-funcionário da NASA.

As primeiras imagens científicas do equipamento foram divulgadas nas últimas segunda e terça, 11 e 12 de julho.

O Telescópio James Webb é mais poderoso que o Telescópio Espacial Hubble, lançado na década de 1990, e é capaz de registrar imagens nunca vistas pelo olho humano – não apenas por estar localizado acima da atmosfera da Terra, mas também por seu enorme tamanho.

Entre as imagens divulgadas pela NASA estava uma do aglomerado de galáxias SMACS 0723, revelando milhares de galáxias, localizadas a 4,6 bilhões de anos-luz de distância da Terra. Segundo a agência espacial dos EUA, a imagem inclui os “objetos mais fracos já observados no infravermelho”.

“As imagens incríveis e incríveis continuam a mostrar as obras incríveis de nosso incrível Deus, de nosso incrível criador”, disse Webb, de acordo com informações do portal Christian Headlines.

Os cristãos devem abraçar a astronomia mesmo que discordem da visão de mundo secular dominante, enfatizou o engenheiro espacial que já trabalhou para a NASA: “Deus criou os céus e a terra – vamos nos lembrar de basear todo o nosso pensamento, desde o início, em Gênesis 1:1 sem compromisso”, disse, acrescentando que o tamanho do universo “apenas mostra o incrível poder do nosso incrível Deus”.

“Que lembrete incrível da majestade e poder do nosso Deus Criador! Uau!”, escreveu Rich Stearns, presidente emérito da Visão Mundial.

“Os céus declaram a glória de Deus: e o firmamento mostra seu trabalho manual”, afirmou Ryan. N Danker, diretor do Instituto John Wesley, em uma publicação no Twitter.

Gospel Mais / Will R. Filho