Naja, serpentes exóticas e, agora, tubarão! Peixe é achado no DF

-
Foto: Correios

A Polícia Civil encontrou, nesta sexta-feira (10/7), três tubarões na Colônia Agrícola Samambaia, em Vicente Pires. Agentes da Delegacia Especial de Proteção ao Meio Ambiente e à Ordem Urbanística (Dema) capturaram os animais em uma residência. Fontes policiais informaram ao Correio que o caso pode ter ligação com o jovem picado por uma naja na última terça-feira (7/7). 

Inicialmente, a polícia confirmou a existência de um tubarão no local. No fim da noite, porém, um comunicado atualizou o saldo da operação e foi informado que havia três peixes desse tipo no aquário clandestino. Também foram encontradas serpentes, uma enguia e um lagarto teiú.

A polícia acredita que a casa onde o animal estava é de um dos amigos do estudante de medicina veterinária Pedro Henrique Lehmkuhl, picado por uma naja na terça-feira passada. Integrantes do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) foram deslocados ao endereço para analisar os animais.

Investigação 

A polícia trabalha com algumas linhas de investigação em relação ao caso do jovem picado pela naja. Nesta quinta-feira (9/7), o Batalhão de Polícia Militar Ambiental (BPMA) apreendeu 16 cobras em uma chácara no núcleo rural Taquara, em Planaltina. O proprietário do local era um dos amigos de Pedro, de acordo com a apuração policial. 

Aos policiais, o rapaz informou que outro colega deles estava com as cobras e as levou para a chácara. “Estamos investigando a possibilidade desses jovens estarem envolvidos em um esquema de tráfico, mesmo que eles tenham esses animais apenas para a coleção”, afirmou Willian Ricardo, delegado da 14ª Delegacia de Polícia (Gama). 

Há, ainda, a suspeita de que os jovens estejam envolvidos em um esquema ilegal de pesquisas e estudos de animais exóticos. Pedro Henrique Lehmkuhl está internado na unidade de terapia intensiva (UTI) do Hospital Maria Auxiliadora. Na quinta-feira (9/7), ele acordou do coma e os médicos tiraram os tubos. Ele conversou e agradeceu pelo socorro prestado.

Para salvar o estudante, foi necessário trazer uma dose de soro antiofídico diretamente do Instituto Butantan, em São Paulo. A família importou outras dez doses preventivas dos Estados Unidos.

O estudante desenvolveu uma necrose no braço, além de lesões no coração, mas está respondendo bem ao tratamento e poderá ser transferido para o quarto do hospital. Ainda não há previsão para quando ele terá liberação para ir para casa. (Correio Braziliense)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui