O que define onde as ondas do mar vão quebrar?

Imagem:  Bia Leme/Superinteressante

A profundidade e o relevo do fundo do mar. À medida que a onda vai chegando à parte rasa, próxima à praia, a base dela, lá embaixo, perde velocidade ao colidir com montes de areia e pedras. A crista (o topo) da onda, porém, mantém o ritmo. Esse descompasso faz com que ela “quebre”, caindo sobre si mesma. 

O fato de umas quebrarem mais perto e outras mais longe tem a ver com a altura da onda. Se ela é maior, o vento encontra mais espaço para empurrar a crista. Então, quando a profundidade começa a diminuir, a diferença de velocidade entre a parte de baixo e a de cima vem mais rápido. E tchibum!

Já as ondas baixinhas se mantêm estáveis em trechos rasos porque não têm tamanho para tanto contato com o vento. Dá para chegar até onde criança faz castelos com areia molhada.

Praias localizadas em locais com recifes geralmente são mais calmas, pois o relevo acidentado debaixo do mar faz com que as ondas grandes quebrem bem antes de chegar perto da margem. Alguns exemplos são a Praia do Lázaro, em Ubatuba (SP) ou Porto de Galinhas, em Pernambuco. 

Superinteressante / Por Maria Clara Rossini

  • TAGS