SAJ: Secretário fala sobre a aquisição da Cloroquina pela prefeitura, e por que o novo Decreto não contemplou os seguimentos de calçados e roupas

Dr. Igor Coutinho Ex-Secretário de Administração de Santo Antônio de Jesus/BA - Foto: Voz da Bahia

O Secretário de Administração da prefeitura de Santo Antônio de Jesus, o advogado, Dr Igor Coutinho, participou do programa Meio-dia e Meia desta quarta-feira (22), na live do Voz da Bahia e explicou o último Decreto do prefeito Rogério Andrade (PSD) para reabertura do comércio em modo de rodízio (relembre aqui). E além disso, o secretário ainda buscou esclarecer o pedido do medicamento hidroxicloroquina, ou apenas Cloroquina, através de licitação por parte do município se ainda não há caso registrado do novo coronavírus.

HÁ UM MÊS DO PRIMEIRO DECRETO:

Em entrevista, o secretário esclarece e atualiza como está o andamento do Decreto desde o fechamento total do comércio de Santo Antônio e até da sua flexibilidade e rodízio como está sendo feito atualmente, ” amanhã completa 1 mês do nosso primeiro Decreto que fixa as medidas de isolamento, tirando as escolas que teve o fechamento um pouco antes, mas pelo decreto de 23 de março, amanhã portanto, completa 30 dias. De lá para cá, nós já damos muitos passos sempre ouvindo os seguimentos, depois constituindo um Conselho Comunitário Municipal e ao longo desses 30 dias a prefeitura vem caminhando com passos gradativos de flexibilização, assim foram com as indústrias, com as lojas de material de construção, com os restaurantes as margens da BR-101 para atender os caminhoneiros. O segmentos de material de limpeza, auto peças, borracharia, todos os que foram sendo flexibilizadas de forma gradativa para que permitisse a prefeitura dentro do limites também de material humano e fiscalização de monitorar e acompanhar dentro do possível. Esse foi o caminho e a estratégia que vem sendo adotada há 30 dias pela prefeitura de Santo Antônio de Jesus”, diz.

AGLOMERAÇÕES:

O secretário ainda reforça que Santo Antônio de Jesus é a única cidade na Bahia acima de 100 mil habitantes que não tem casos confirmados do coronavírus, “certamente tem a ver com as ações que estão sendo adotadas e ao comportamento também dá população; de nada adiantaria medidas se cada um de nós, cada cidadão não fizesse nossa parte. Você têm divulgado e nós ainda vemos cenas lamentáveis de descumprimento do protocolo sanitário, aglomerações, filas, mas a gente continua nesse apelo pedindo para que as pessoas, cada um faça o seu papel, porque não temos como ter um fiscal em cada ponto da cidade, então assim que chega ao conhecimento da Vigilância, situações que estão fora das regras a gente se desloca para tentar resolver no primeiro momento por horas, se não resolver, notificamos o estabelecimento dando prazo em horas para resolver em último caso chegar às medidas mais drásticas”, expôs.

POR QUE SAPATARIA, CONFECÇÕES E SALÕES NÃO ENTRARAM NO DECRETO?

Questionado sobre a não abertura de segmentos, como lojas de confecção, sapataria e salão de beleza, Igor afirma que esse último decreto foi o quê maior flexibilizou abertura de estabelecimentos e explica que ele foi ordenado em grupos, “não é uma questão de preocupação com um e não com outro, não só confecção, não é só sapataria, não é só salão de beleza, mas há diversos outros seguimentos que ainda não foram contemplados. Nós estamos atentos a isso, é uma questão agora de organização e distribuição em grupos para que nós possamos fiscalizar, que a gente possa minimizar os impactos e possíveis aglomerações com aumento de circulação das pessoas na cidade em razão do aumento de abertura do comércio” informou. O secretário ainda explica, que o decreto tem vigência parcialmente durante a semana, “o decreto só foi publicado após a reunião com o Conselho Comunitário, ontem foi feriado, então esse primeiro decreto, ele só tem vigência na metade final da semana, hoje até sexta (24/04), então a gente pensou em dois grupos: um para pegar da metade da semana, o outro só começaria no início da semana, segunda-feira (27/04), por isso, que não saiu neste decreto alguns estabelecimentos, porque no próximo decreto a gente vai estar estabelecendo essas novas flexibilizações que serão iniciadas a partir de segunda-feira”, expôs.

AS MÁSCARAS:

O secretário reforça para que as pessoas que necessitem ir até o Centro da cidade, que não deixe de usar máscara, “pois assim, como o colaborador da empresa está usando máscara para se proteger, quem precisa ir até esses estabelecimentos também necessitam se proteger e também quem trabalha nesses locais, hoje é uma política de Estado, essa campanha de conscientização da importância do uso da máscara é para conter essa pandemia”, reforçou.

DECRETOS AINDA PODEM SER ALTERADOS:

Em relação a uma possível confirmação do COVID-19 em Santo Antônio de Jesus, o secretário explica que tudo é possível até uma revogação do Decreto estabelecido para o comércio, “caso aconteça um caso confirmado na cidade, nós teremos que nos debruçar sobre esse assunto, ouvindo as autoridades sanitárias, ouvindo Conselho Comunitário e avaliando os passos que teremos que dar em relação a isso”, informou.

O MUNICÍPIO TEM ESTRUTURA PARA CASOS DE COVID-19?

Quando questionado sobre os equipamentos que o município tem caso haja uma pandemia, Coutinho reforça que o isolamento é uma medida importante para que a saúde não venha entrar em colapso, “se nós tivéssemos no país e Santo Antônio faz parte desse Brasil, uma estrutura na saúde pública preparada para uma pandemia como essa, a gente não precisava dessas medidas de isolamento, então essas medidas são justamente para tentar minimizar e compensar de alguma forma a carência que nós temos como é no país inteiro na questão da saúde. Santo Antônio de Jesus dentro dessa realidade inclusive, uma exceção privilegiada, porque se a gente comparar a quantidade de leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) que nós temos com outros municípios de porte igual ou semelhante, a gente constata que nós já estaremos em uma situação de exceção à regra, mas não é por isso que estamos de braços cruzados. A Secretaria de Saúde tem adotado medidas de ampliação de leitos, nós temos a questão da UPA (Unidade de Pronto Atendimento) que estamos trabalhando para poder abrir lá, e futuramente pode vir a se tornar uma unidade para o suporte, porque há leitos e respiradores na UPA, enfim, as medidas estão sendo tomadas”, alertou.

MEDICAMENTO HIDROXICLOROQUINA:

Durante a entrevista, o secretário de administração, Igor Coutinho, foi questionado a respeito da licitação para compra de cloroquina já que a cidade não possui casos confirmados de Covid-19 e o porque desta aquisição por parte da prefeitura para este medicamento. Segundo o secretário, existe uma licitação por meio da Secretaria de Saúde do Município onde foi publicado um pregão eletrônico, “isso foi anunciado pelo próprio Secretário de Saúde Dr. Leandro Lobo perante o Conselho para a aquisição desses medicamentos. É importante deixar claro para a população que o fato da gente licitar, até porque a modalidade de licitação é por registro de preço, isso não implica na necessidade imediata de aporte desse recurso. O registro de preço é apenas o estoque virtual, ou seja, uma medida de precaução e de prudência que o secretário está adotando, que se em algum momento, nós precisarmos dessa medicação, a licitação já foi feita e a ata está publicada, então é só a gente pedir e o fornecedor tem que entregar a quantidade necessária. Não há o que se falar sobre comprometimento de recurso, a licitação inclusive foi deserta, ou seja, significa que não apareceu nenhuma proposta no Pregão Eletrônico feito pelo Banco do Brasil aberto para o país inteiro e nós já estamos republicando essa licitação. O objetivo é ter uma ata válida para caso necessário, caso seja confirmado, inclusive há uma controvérsia na eficácia dessa medicação, então caso ela venha a ser recomendada pelas autoridades sanitárias, a gente já teríamos esse estoque virtual disponível, só precisaria quando necessário, começar uma licitação, onde a gente perderia horas e dias”, explicou.

SOLICITAÇÃO AO SECRETÁRIO:

Aproveitando a oportunidade, o Voz da Bahia solicitou ao Dr. Igor, que os casos monitorados, suspeitos de coronavírus no município, sejam repassados para imprensa todos os dias, já que isso é praxe dos demais municípios da Bahia, “é necessária e importante essa informação para vocês e eu farei esse pedido sim, em particular ao nosso amigo secretário de saúde Dr. Leandro Lobo para que isso venha ocorrer diariamente para melhor comunicar aos nossos munícipes”, finalizou Igor.