“Se a gente abre tudo, perdemos o controle total”; diz secretário da administração de S. A. de Jesus

Dr. Igor Coutinho / Foto: Voz da Bahia

No programa Meio-Dia e Meia, na live do Voz da Bahia desta quarta-feira (15), o Secretário de Administração da prefeitura municipal de Santo Antônio de Jesus, Dr. Igor Coutinho, abordou assuntos relacionados ao combate a pandemia do coronavírus (COVID-19) em Santo Antônio de Jesus e o novo Decreto do prefeito Rogério Andrade (PSD) para o comércio do município.

Ontem, terça-feira (15), o prefeito estendeu por mais seis dias o decreto que proíbe a abertura do comércio (reveja aqui), contudo ainda é possível ver um número grande de pessoas pelas ruas principalmente e casas lotéricas e bancos.

AGLOMERAÇÕES:

O secretário afirma, que as aglomerações em filas é uma responsabilidade dos estabelecimentos, inclusive, é uma condição para a manutenção de funcionamento do estabelecimento, “uma vez a vigilância indo, dando um prazo para em horas se regularizar, isso não acontecendo o estabelecimento está sujeito a medidas mais severas que podem ir inclusive a suspensão do Alvará. Então é inadmissível que situações como essa passada no vídeo, estejam acontecendo na nossa cidade, isso é muito preocupante e demonstra que para muitas pessoas parece que a ficha ainda não caiu, é como se Santo Antônio de Jesus estivesse fora do mapa ou nós não fazemos parte do planeta Terra. É uma situação lamentável e é preciso que haja atuação por parte do município”, diz.

PRORROGAÇÃO POR MAIS 6 DIAS:

Ainda sobre a não abertura do comércio, o secretário esclarece que está acontecendo de forma gradativa para que a gestão e os órgãos responsáveis possam ter o controle que todas as medidas protetivas estão sendo sustentadas, “tomamos as medidas necessárias para ver se cai a ficha da população, do problema sério que nós estamos enfrentando no mundo inteiro e Santo Antônio de Jesus faz parte do mundo, e agora estamos dando os passos de forma gradativa para a flexibilização, mas com esse monitoramento para saber e verificar se os segmentos que nós estamos permitindo funcionar, vão estar fazendo a sua parte no controle, no distanciamento, nos protocolos sanitários, por isso que nós não adotamos a postura do “abre tudo”. Se a gente abre tudo, a gente perde o controle total; abrindo aos poucos já tem situações de aglomerações, imagina abrindo tudo, o que não vai acontecer? A gente sabe que há uma necessidade da abertura do comércio, sabemos que não vai ter como manter o comércio fechado durante todo o período da pandemia, mas a gente tá tentando encontrar tempo, dando passos de forma gradativa, para que a gente possa com isso ter uma condição de ganhar acúmulo de tempo e ir se preparando”, garantiu.

VERBAS DOS FESTEJOS JUNINOS:

A respeito de verbas do São João dr Santo Antônio de Jesus, o secretário reforça que já foi feito o contingenciamento de despesas além da suspensão de todos os eventos até o dia 31 de julho, no que inclui inclusive São João, São Pedro entre outros, “o São João tem um custo anual que a gente enxerga como investimento, inclusive diante de tantos benefícios que traz para nossa cidade, mas no momento que a gente deixa de ter esse investimento, ao mesmo tempo nós estamos enfrentando uma forte queda de arrecadação, inclusive a arrecadação própria, que é a da qual nós usamos o recurso para esse investimento do São João, então se a gente comparar, inclusive a Secretaria da Fazenda já fez esse levantamento, o quanto de receita própria do município entrou nos cofres públicos de 1 de janeiro de 2020 a 15 de abril de 2020, quando comparados com 1 de janeiro de 2019 a 15 de abril de 2019, essa diferença já chega a aproximadamente um grande percentual do investimento do São João, eu diria talvez aqui 70% do investimento do São João, nós já perdemos em arrecadação nesse período de 2020, de Janeiro até hoje quando comparado ao mesmo período do ano passado”, explica.

Reportagem: Voz da Bahia