Sem energia em Morro, turistas estão deixando pousada sem pagar diárias

Foto: Divulgação

Sem energia desde segunda-feira (19), Morro de São Paulo começa a perder os turistas por causa das complicações. Em pouco tempo, os celulares descarregam e, com eles, as máquinas de cartão, o que torna inviável fazer pagamentos a não ser em dinheiro.

Na Pousada Ilha da Saudade, que não tem gerador, boa parte dos hóspedes foi embora. “Teve gente que ficou sem dinheiro e acabou indo”, explica a recepcionista Juilma. A atendente de outra pousada, que preferiu não se identificar, foi categórica: “Está sendo péssimo. A ilha não está nada bem”.

Na Pousada Brasil Caribe a situação é ainda mais crítica. Todos os hóspedes foram embora, inclusive sem pagar. “Não é culpa deles, nem da gente”, explica a responsável pela marcação, Dantize. “Nós não estamos recebendo mais turistas também, porque não tem como”, afirma.

Como a central de marcação fica fora da Ilha, a atendente sequer sabe explicar exatamente porque não conseguiu a confirmação do pagamento, apesar de entender que pode ser porque o pagamento só poderia ser feito em dinheiro. Os recepcionistas e trabalhadores da pousada, em Morro de São Paulo, estão incomunicáveis uma vez que os celulares descarregaram e também estão sem internet.

“O prazo era até hoje [para voltar a luz]”, afirma José, dono da pousada Colibri, que administra com a esposa Tânia. Segundo ele, os restaurantes e mercados estão funcionando na medida do possível, mas já começam a pensar em fechar. “Não tem freezer e geladeira que aguentem tanto tempo. Se essa situação continuar, amanhã vai ser pior para todo mundo”.

A Companhia de Eletricidade do Estado da Bahia (Coelba) afirmou que realiza uma força-tarefa para reestabelecer o fornecimento de energia em Morro de São Paulo e região. “Para atender o caso inédito na área de concessão, foi mobilizado um contingente com mais de 70 profissionais, entre eletricistas, operadores e engenheiros, em revezamento desde o início da ocorrência. As equipes técnicas estão atuando na recomposição da rede elétrica danificada, cuja causa está sob análise”, diz o texto. (Metro1)