Vitória da Conquista: Ialorixá denuncia intolerância religiosa após ser chamada de ‘feiticeira’ por integrante de igreja

Foto: Divulgação/TV Sudoeste
Foto: Divulgação/TV Sudoeste

Uma mãe de santo denunciou à polícia um pastor e uma mulher, integrantes de uma igreja evangélica, de ter sido alvo de intolerância religiosa, na tarde de domingo (30), em Vitória da Conquista, no sudoeste da Bahia. Segundo a Ialorixá Rosilene Teixeira, ela foi comprar pão, junto com um cachorro, e encontrou a mulher com uma bíblia na mão. As duas voltaram para casa conversando sobre animais, quando a integrante da igreja evangélica descobriu que ela morava em um terreiro de candomblé. Rosilene Teixeira informou que a mulher teria dito que iria “orar por ela” e que a Ialorixá “precisava de Jesus”. Ela diz que também foi chamada de “Macumbeira”, “Feiticeira” e “Sapatão”. “Falei que não precisava dessa oração porque eu tenho a minha crença. Ela disse que eu morava ali [terreiro] e que eu precisava muito das orações e de Jesus”. Rosilene Teixeira disse que ficou revoltada e procurou o pastor Wellington da Silva para que ele aconselhasse os integrantes da igreja a não cometer atos intolerantes. De acordo com a Mãe de Santo, ele também foi intolerante com ela. A Ialorixá registrou um boletim de ocorrência, na manhã desta segunda-feira (1°), no Distrito Integrado De Segurança Pública (Disep). O pastor Wellington da Silva negou as acusações e informou que conhece a Ialorixá há muito tempo e mantinha uma boa relação com ela. Ele também contou que Rosilene Teixeira estava embriagada no momento e que chegou revoltada na igreja. Segundo Wellington Silva, a Ialorixá disse para a integrante da igreja que mandaria os “orixás abençoar” ela. Por isso, a mulher teria dito que iria “orar por ela”. (G1/Ba)

Caso foi registrado no Distrito Integrado De Segurança Pública (Disep), em Vitória da Conquista — Foto: Divulgação/TV Sudoeste
Foto: Divulgação/TV Sudoeste