Últimas Notícias sobre intolerância religiosa

Foto: reprodução/Instagram

A cantora Bruna Karla, um dos nomes mais populares da música gospel no Brasil, na atualidade, virou alvo de ataques de intolerância, após ela se posicionar de acordo com o que a Bíblia diz sobre a prática homossexual, condenada como um pecado nas Escrituras sagradas.

Foto: reprodução/Instagram

Um trecho de uma pregação do pastor Felippe Valadão está sendo considerado pelo Ministério Público como discurso de intolerância religiosa e preconceito, e os promotores querem intimá-lo a fazer uma retratação pública.

Foto: Reprodução

O Centro de Referência Étnico-Racial (CRER) da SSP Mãe Stella de Oxóssi tem acompanhado o trâmite investigatório do caso de intolerância religiosa e agressão denunciados por membros do terreiro de Candomblé Logun Edé, em Eunápolis.

Grupo de cerca de 20 evangélicos participou da ação. — Foto: TV Santa Cruz

O terreiro de Candomblé Lagun Edé, que existe há mais de 40 anos na cidade de Eunápolis, no sul da Bahia, foi alvo de intolerância religiosa no domingo (13), conforme denúncia de candomblecistas.

Foto: Reprodução

O jornalista Alexandre Garcia comentou em seu canal a cobertura da imprensa sobre a comemoração após aprovação do pastor André Mendonça para a vaga no Supremo Tribunal Federal, e denunciou o “preconceito religioso contra os evangélicos”. Um dos mais despudorados foi Diogo Mainardi ao classificar os fiéis como “gente bizarra”.

Foto: Reprodução/Instagram

A primeira-dama Michelle Bolsonaro disse nesta segunda-feira (6) ter sido alvo de “intolerância religiosa” e “desamor” diante das reações à sua comemoração da aprovação de André Mendonça para o STF (Supremo Tribunal Federal), na semana passada.

Foto: Reprodução

Paulo Betti, ator com longa carreira em produções da TV Globo, deu uma demonstração de intolerância e preconceito contra evangélicos ao criticar a expressão de fé do goleiro do Palmeiras, Weverton, após o título da Copa Libertadores no último sábado, 27 de novembro.

Foto: Arquivo pessoal

Em menos de uma semana que a prefeitura de Salvador regulamentou o Estatuto da Igualdade Racial e Combate à Intolerância Religiosa, a Secretaria Municipal de Gestão (Semge), pasta vinculada a prefeitura, tem sido alvo de denúncia de discriminação de cunho religioso.

A Secretaria da Segurança Pública, através da Superintendência de Prevenção à Violência (SPREV) em parceria com a Comissão de Promoção da Igualdade Racial da OAB, subseção de Santo Antônio de Jesus – Bahia, realizaram no município o Workshop Racismo, Intolerância Religiosa e LGBTfobia e a atuação das Forças de Segurança Pública.

Foto: Reprodução/Arquivo Pessoal

A Bahia registrou sua primeira condenação por intolerância religiosa seis anos após a morte da ialorixá Mildredes Dias Ferreira, conhecida como Mãe Dede de Iansã, vítima do crime. A condenação foi confirmada em segunda instância no Tribunal de Justiça da Bahia, nesta segunda-feira (7).

Close