Apenas 1 em cada 4 matriculados em programas de mestrado e doutorado no Brasil é negro

-
Foto : Foto : Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Apenas um em cada quatro alunos matriculados em programas de mestrado e doutorado no Brasil é negro. A informação foi divulgada pelo jornal Folha de S.Paulo, neste domingo (22), a partir dados abertos de 2018 da Capes, agência do MEC voltada à pós-graduação no país. 

Para a conclusão, foram considerados nos cálculos os alunos de pós-graduação do país que informaram a cor da pele, de forma autodeclarada. Os dados mostram que em algumas áreas da saúde (como odontologia e medicina), em direito, engenharias e em arquitetura, a participação dos negros entre pós-graduandos despenca.

Considerando as regiões, a distribuição dos cientistas negros na pós-graduação no Norte, é de 61,2%, o que representa cerca de 4.000 alunos. No Sudeste, onde são concentrados os programas de pós no país, os negros são apenas 21,2% dos matriculados (11,6 mil alunos ao todo). 

Apesar de ter aumento na taxa de estudantes negros (pretos e pardos) no período de 2010 a 2020 na universidade, passando de 75 para 168 (um alta de 124%), o número ainda representa um quinto do total de pós-graduandos. O número de pesquisadores de pós-doutorado negros representa ainda 11,4% do total. (Metro1)