Bolsonaro quer que Decotelli peça demissão, diz jornal

-
Foto : Marcos Corrêa/PR

O recém-nomeado ministro da Educação, Carlos Decotelli, se envolveu em mais uma polêmica. A FGV (Fundação Getúlio Vargas) publicou uma nota na noite desta segunda-feira (29), negando que o economista tenha sido professor ou pesquisador da instituição, conforme alegava seu currículo. De acordo com assessores, a novidade irritou o presidente Jair Bolsonaro, que debate a permanência do ministro hoje (30).

Conforme publicado na Folha de S.Paulo, Bolsonaro e Decotelli se encontraram ontem, e o presidente cobrou explicações do ministro. Ainda ontem, à noite, Bolsonaro escreveu em rede social que “Decotelli não pretende ser um problema para a sua pasta (governo), bem como está ciente de seu equívoco”, num sinal de que não garantiria sua permanência no cargo e de que o ministro sabe da crise que criou.

Mesmo diante das novas polêmicas, Bolsonaro ainda não bateu o martelo. Entretanto, o presidente solicitou a deputados e assessores indicações de possíveis substitutos. Ele exigiu também que os currículos dos nomes cotados sejam minuciosamente checados.

São cogitados para o cargo de ministro da Educação o secretário de Educação do Paraná, Renato Feder, o ex-assessor do Ministério da Educação Sérgio Sant’Anna e o conselheiro do CNE (Conselho Nacional de Educação) Antonio Freitas. Os três têm apoio do núcleo ideológico. (Metro1)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui