Bolsonaro tenta remobilizar base no 7 de Setembro; conheça grupos

Foto: Alan Santos/Ascom, PR

Ao mobilizar em discursos as manifestações em torno do 7 de Setembro, o presidente Jair Bolsonaro busca se reaproximar da base que o elegeu em 2018. A avaliação foi publicada pela Folha de S. Paulo neste sábado 94). A publicação mapeou os grupos pretendidos pela estratégia governista. Siglas de oposição, como o PT, também organizam atos para a data em que se comemora a independência brasileira.

Devem comparecer aos atos pró-Bolsonaro evangélicos, ruralistas, policiais, militares, caminhoneiros, monarquistas e ativistas que, além de apoar à reeleição de Bolsonaro não querem a volta da esquerda ao Palácio do Planalto.

As manifestações estão marcadas em todos os estados. Bolsonaro deve se fazer presente na praça dos Três Poderes, em Brasília, pela manhã, e na avenida Paulista, em São Paulo, à tarde. Os grupos de oposição também programaram atos na capital paulista à tarde, mas no Vale do Anhagabaú.

Conheça os grupos

Nos grupos bolsonaristas, os ruralistas são integrados por sindicatos rurais, associações de produtores e movimentos nacionais como o Brasil Verde e Amarelo. Defendem obras de infraestrutura, avanço da área plantada e redução de exigências ambientais. Já os caminhoneiros serão representados por lideranças regionais e autônomos. Querem redução do preço do diesel, aumento na tabela do frete e menos pedágio.

Os policiais militares – da reserva e alguns da ativa – incluem, na defesa do governo, críticas à esquerda e ao Supremo Tribunal Federal (STF).Associações de militares reservistas, como o Clube Militar, apresentam temas conservadores e reações ao Suremo.

Entre os evangélicos, lideranças como Silas Malafaia, Estevam Hernandes (Renascer em Cristo), César Augusto (Fonte da Vida) e Rina (Bola de Neve) convocaram fiéis a ocupar as ruas no 7 de Setembro. Este segmento apoia o respaldo a Bolsonaro e a liberdades religiosa e de expressão.

Por fim, as manifestações do governo devem contar com grupos nacionais dispersos, como Nas Ruas, Avança Brasil e Foro Conservador e movimentos regionais. As bandeiras abrangem voto impresso, valores conservadores, críticas ao STF e a defesa da reeleição de Bolsonaro. (bahia.ba)