Cancelamento de São João no interior deve provocar prejuízo de quase R$ 300 milhões no comércio baiano

-

De acordo com cálculos da Fecomércio-BA, o cancelamento dos festejos de São João por algumas cidades do estado da Bahia deve provocar uma queda nas vendas de 23%, especificamente nos setores mais ligados à data festiva, como supermercados e vestuário (roupas, calçados, acessórios, entre outros). Isso significa um prejuízo de R$ 275 milhões para a segunda quinzena do mês de junho.

As datas comemorativas ao longo do primeiro semestre serão altamente impactadas pela crise do novo coronavírus. A Fecomércio-BA revisou, recentemente, a projeção de vendas da Páscoa de 4,9% de crescimento para queda de 5,6%. O Dia das Mães, data que só perde em vendas para o Natal, deve seguir a mesma tendência, até porque o setor de vestuário, que é o mais procurado no evento de maio, tende a estar com suas atividades, no mínimo, funcionando parcialmente.

“Embora os valores do comércio varejista do estado da Bahia apontem os meses de junho e julho como relativamente fracos ao longo do ano, as festividades têm uma importância muito grande, principalmente, para cidades do interior”, esclarece Guilherme Dietze, consultor econômico da Federação.

Guilherme alerta para o impacto negativo também no turismo. “As cidades deixarão de receber os turistas. Esses que deixarão de viajar, de se hospedar em pousadas e hotéis, de fazer suas refeições em bares e restaurantes, de comprar o artesanato local, ou seja, de fazer circular a economia, o dinheiro e o emprego, especialmente no interior”, diz. 

O efeito colateral do cancelamento do São João deve ser significativamente sentido porque os recursos não devem ser repostos ou amenizados posteriormente, numa situação de melhora da economia. (Aratu on)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui