China faz igrejas trocarem Dez Mandamentos por citações do líder comunista Xi Jinping

0
163
-
Imagem: Reprodução

Cristãos de todo o mundo têm assistido a escalada da perseguição comunista aos seguidores de Jesus na China. A mais recente investida do governo envolve a substituição dos Dez Mandamentos dados por Deus a Moisés por frases do presidente Xi Jinping.

As igrejas da província central de Henan, na China, foram forçadas a substituir os Dez Mandamentos pelas citações de Xi Jinping, revelou a revista de direitos humanos Bitter Winter.

- Anúncio -

A publicação relatou que os Dez Mandamentos foram removidos de quase todas as igrejas da região e locais de reunião em um município da cidade de Luoyang e substituídos pelas citações do presidente como parte dos esforços do Partido Comunista da China para “sinicizar” o cristianismo.

O termo “sinicização”foi cunhado para descrever o processo de adequação do cristianismo aos valores do presidente chinês. Dessa forma, os mandamentos bíblicos dados a Moisés, que incluem “não terás outros deuses diante de Mim” e “não fará para si uma imagem esculpida”, foram substituídos por citações de Xi, incluindo trechos de seu discurso na Frente Unida Central Reunião de trabalho do Departamento de Trabalho em 2015.

“Os valores socialistas centrais e a cultura chinesa ajudarão a imergir várias religiões da China”; “Apoiar a comunidade religiosa na interpretação de pensamentos, doutrinas e ensinamentos religiosos de uma maneira que esteja de acordo com as necessidades do progresso dos tempos. Resolutamente, proteja-se da infiltração da ideologia ocidental e conscientemente resista à influência do pensamento extremista”, foram algumas das frases selecionadas para substituir os Dez Mandamentos.

Como desobedecer às ordens é visto como oposição ao Partido Comunista, algumas igrejas associadas ao Movimento Patriótico das Três Autonomias (legalizadas pelo governo) foram fechadas por não implementarem a regra, enquanto outras congregações foram ameaçadas de serem incluídas na lista negra pelo governo, disse uma fonte anônima à revista.

De acordo com informações do portal The Christian Post, um pastor de uma igreja protestante estatizada disse à Bitter Winter que o Partido Comunista Chinês está destruindo metodicamente igrejas da denominação, corroendo a doutrina cristã.

“O primeiro passo do governo é proibir dísticos religiosos. Em seguida, desmonta as cruzes e começa a implementar os ‘quatro requisitos’, ordenando que a bandeira nacional e os ‘valores socialistas centrais’ sejam colocados nas igrejas”, disse o pastor. “Câmeras de vigilância para monitorar os fiéis e atividades religiosas são então instaladas. O último passo é substituir os Dez Mandamentos pelos discursos de Xi Jinping”, descreveu.

“O objetivo final do Partido Comunista é ‘tornar-se Deus’. Isso é o que o diabo sempre fez”, acrescentou o pastor, sob condição de anonimato.

Outro cristão afirmou que os fiéis “não têm liberdade alguma”, lamentando a realidade do país: “A China é uma ditadura de partido único. As pessoas só podem obedecer ao Partido Comunista e ser controladas por ele”.

Esta não é a primeira vez que o partido exige a remoção dos Dez Mandamentos. Em novembro, autoridades ordenaram que uma igreja no condado de Luoyang retirasse a citação bíblica porque o presidente Xi Jinping “se opõe à declaração”, referindo-se ao primeiro mandamento.

“Quem ousa não cooperar? Se alguém não concorda, está lutando contra o país”, alertou o funcionário do governo. “Esta é uma política nacional. Você deve ter uma compreensão clara da situação. Não vá contra o governo”, enfatizou o lacaio comunista.

Em esforços para impedir que a religião seja uma influência contra o comunismo, as autoridades chinesas fecharam igrejas, prenderam congregações inteiras e tentaram reescrever a Bíblia após a implementação das regras de regulamentação religiosa revisadas em fevereiro de 2018.

A campanha da China para “sinicizar” a religião teve origem em um discurso de Xi na Conferência Nacional de Trabalho Religioso, em abril de 2016. Na época, Xi afirmou que, para “orientar ativamente a adaptação das religiões à sociedade socialista, uma tarefa importante é apoiar as religiões da China”, valendo-se de um eufemismo que, na verdade, significa a interferência direta.

No início de setembro, foi relatado que funcionários do governo chinês exigiram que o clero afiliado ao Movimento Patriótico das Três Autonomias na cidade de Yuzhou baseasse seus sermões em um novo livro que combina ensinamentos bíblicos com os ensinamentos de Confúcio.

Em junho, várias igrejas desse movimento na cidade de Qingdao, na província de Shandong, foram ordenadas pelo Departamento de Assuntos Religiosos a cantar novos hinos patrióticos escritos pelos conselhos cristãos sancionados pelo Estado, em vez de canções de adoração tradicionais.

Em 2017, milhares de cristãos no condado de Yugan, na província de Jiangxi, foram ordenados a retirar de suas casas exibições de Jesus, cruzes e passagens do Evangelho e substituí-las por retratos do presidente.

A medida fazia parte de um programa governamental que supostamente combatia a pobreza e buscava “transformar os fiéis da religião em fiéis do partido”, já que alguns membros do governo acreditam que a fé das famílias é responsável por suas dificuldades financeiras.

“Muitas famílias pobres mergulharam na pobreza por causa de doenças na família. Alguns começaram a acreditar em Jesus para curar suas doenças ”, disse o chefe da campanha do governo na época. “Mas tentamos dizer a eles que adoecer é uma coisa física e que as pessoas que realmente podem ajudá-los são o Partido Comunista e o Secretário Geral Xi”.

A filial norte-americana da Missão Portas Abertas classificou a China como número 27 na lista de países em que os cristãos enfrentam a mais severa perseguição por sua fé. Em seu relatório, a entidade alertou que “o aumento do poder do governo e a administração do presidente Xi Jinping continuam dificultando o culto aberto em algumas partes do país”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui