Homem-Aranha: Página é vendida por R$ 18 milhões em leilão

Página conta a origem do traje preto do homem-aranha Reprodução Foto: Reprodução

O Homem-Aranha não tem quebrado apenas recordes de bilheteria por estes dias. Na quinta-feira, 13, duas páginas da arte original – de uma revista em quadrinhos de 1984 – atingiram, somados os lances vencedores, cerca de US$ 3,7 milhões (o equivalente a cerca de R$ 20,5 milhões, na cotação atual), de acordo com a casa de leilões sediada em Dallas Heritage Auctions.

A estrela do leilão foi a página 25 daquela revista, Secret Wars No. 8, renderizada por Mike Zeck. A página foi vendida por incríveis US$ 3,36 milhões (R$ 18,6 milhões), informou a Heritage, quebrando o recorde por uma arte interior, estebelecido em 2014, de US$ 657.250 – por uma edição de 1974 de O Incrível Hulk, em que aparecia o emergente Wolverine.

Também na quinta, 13, a página 24 do mesmo gibi do Homem-Aranha foi vendida por US$ 288 mil (R$ 1,6 milhões).

Essas duas páginas são especiais pois elas mostram a primeira aparição do traje preto simbionte do Homem-Aranha, o que leva ao surgimento do personagem Venom.

“Os resultados de hoje provam o que nós temos dito há tempos: a arte das revistas em quadrinhos é amada e valiosa como qualquer outra colocada em telas”, disse Joe Mannarino, diretor de quadrinhos e arte de quadrinhos da Heritage em Nova York, em um comunicado. Vale a pena ressaltar que telas feitas pelo artista pop Roy Lichtenstein, morto em 1997, que se apropriaram diretamente de quadrinhos publicados, foram vendidas em leilões por até US$ 95 milhões.

O lançamento de um leilão de vários dias na quinta-feira também reflete o fato de que, apesar de todo o sucesso comercial da DC do Super-Homem e do Batman, nenhum personagem é mais popular entre os consumidores no momento que o Homem-Aranha da Marvel.

Stan Lee uma vez disse ao The Washington Post que quando o personagem foi introduzido, ele “nunca imaginou que o Homem-Aranha estaria por aí” após quase meio século. Hoje, o super-herói de Peter Parker, que fez sua estreia há 60 anos na revista Amazing Fantasy No. 15 – co-criada por Stan Lee e Steve Ditko (ambos mortos em 2018) – está em disparada.

O filme Homem-Aranha: Sem Volta para Casa, oito live-action da franquia da Sony, lançado no mês passado, já faturou mais de US$ 1,5 bilhão (R$ 8,3 bilhões) ao redor do planeta – o maior lançamento desde Vingadores: Ultimato, de 2019, em que o Homem-Aranha de Tom Holland também aparece. No último ano também houve o lançamento da sequência Venom: Tempo de Carnificina, que faturou mais de meio bilhão de dólares no mundo – um dos principais títulos de 2021.

A quinta-feira também viu uma página inteira do Amazing Spider-Man No. 37, de 1966 – edição que retrata a primeira aparição do nome do vilão Duende Verde/Norman Osborn – ser vendida por US$ 336 mil.

No outono de 2021 [no hemisfério norte], uma edição do Amazing Fantasy No. 15, de Ditko e Lee, em condições próximas à perfeição, é considerada a mais valiosa de uma revista em quadrinhos já vendida em um leilão. Próxima a ela e à edição vendidarecentemente, está o Action Comics No. 1, que é a estreia do Super-Homem, nos anos 1930; o livro raro foi vendido por US$ 3,18 milhões, informou a casa de leilões.

A Heritage Auctions não costuma revelar a identidade de seus compradores e vendedores.

Preços por gibis icônicos e livros de quadrinhos têm crescido junto à explosão de filmes hollywoodianos de super-heróis no século 21. Raras edições de Batman e Super-Homem começaram a ser vendidas por milhões em leilões e, em 2012, uma coleção de histórias em quadrinhos adquiridas durante a infância nos anos 1930 e 1940 foi vendida num leilão por cerca de US$ 3,5 milhões.

Algumas das revistas em quadrinhos vendidas por valores mais altos recentemente são trabalhos de outros criadores como Frank Frazetta, Robert Crumb, Jack Kirby e Charles Schulz.

Estadão